- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -
PODEM NOS TIRAR AS FLORES, MAS NUNCA A PRIMAVERA.

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


segunda-feira, 13 de junho de 2011

O EXERCÍCIO DO AMOR AO PRÓXIMO I


            O amor ao próximo será sempre decorrência natural do auto-amor. Quem se auto-ama, enche-se de amor e sente vontade de multiplicar esse amor com outras pessoas.
            Isso faz parte da essência do amor, que é formado pelos movimentos de dar e receber. Inicialmente, nós nos damos e recebemos amor de nós mesmos, para, repletos de amor, podermos oferecer o amor de forma incondicional ao nosso próximo.
Essa é a forma verdadeira de amar o próximo, amar sem exigir ser amado, ou recompensado de qualquer maneira.
Ao nos darmos amor, esse amor nos nutre, e mesmo que, ao amar o próximo, não sejamos retribuídos, podemos continuar amando, pois a fonte do auto-amor só depende única e exclusivamente de nós mesmos.
            Devido às nossas negatividades egóicas, queremos oferecer o nosso amor e a nossa paz aos outros, e receber a retribuição.
            O amor é composto de dois movimentos: dar e receber. Quando oferecemos o nosso amor a alguém que não é digno dele, esse amor – como é uma energia -, não encontrando receptividade, após beneficiar o outro indiretamente, estará retornado para a fonte emissora. A energia jamais se perde, por isso, não devemos nos preocupar com a volta do amor. Ele sempre retorna.
            No entanto, se oferecemos amor a alguém digno desse sentimento, ao encontrar receptividade ecoa, ressona no outro, se potencializa com o seu amor, e retorna potencializado para nós, com isso o nosso amor se amplia ainda mais e nos felicita.
Portanto, vale a pena desenvolver o amor incondicional ao próximo, pois estaremos sempre dando e recebendo, quaisquer que sejam as circunstâncias.
“Jesus conclama o homem a amar-se, a valorizar-se, a conhecer-se, de modo a plenificar-se como o que é e tem, multiplicando esses recursos em implementos de vida eterna, em saudável companheirismo, sem a preocupação de receber resposta equivalente.

Do livro: PSICOTERAPIA À LUZ DO EVANGELHO DE JESUS
            Alírio de Cerqueira Filho  

2 comentários:

Vera Lúcia Duarte disse...

Lindo texto, Denise.
Muito bem escolhido.
A Lei Divina ensina a dar sem esperar nada em troca.
Gostei muito do blog e já me instalei.
Obrigada por estar comigo em meu recanto.
Beijo.

Lucinha disse...

Nossa! Mas que lindo este texto! Eu me senti tão lendo-o!! Obrigada, por ele, Denise!!!

Um beijo

Fique com DEUS :)