- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

REFLEXÕES DE NATAL

                 Com essa reflexão a respeito do Natal, encerro este ano, rogando a Deus que todos os seguidores e aqueles que visitam esse blog possam ser abençoados em todas as suas realizações. Que possamos fazer nossas reflexões de final de ano, juntando forças e vontade para fazermos nossa reforma íntima.
                 A partir de hoje entraremos de férias e retornaremos no dia 15/01/2015.

QUANDO NASCEU JESUS?
                E, mais uma vez, o Natal... Uma grande festa, introduzida no calendário na distante Idade Média, instituída no calendário na distante Idade Média, instituída pelo Papa Júlio I, como uma forma de atrair o interesse da população para o Catolicismo, em plena Roma. Como era preciso arregimentar novos e muitos crentes, a Igreja ofereceu o Natal como uma espécie de substituição a uma festa antiga do Império Romano, que era dedicada ao deus Mitra, divindade persa que se aliou ao sol para obter calor e luz em benefício das plantas, cujo culto, no último século antes de Cristo, era um dos mais populares do Império Antigo. Portanto, não é cientificamente correta a versão de que Jesus teria nascido em 25 de dezembro. Mas, isso é o que pouco importa. Saber o dia do nascimento de Jesus na Terra é desnecessário, imprescindível é saber quando ele nasceu na nossa vida.
                No texto de Vinícius, intitulado Quando Nasceu Jesus, que está no livro Em Torno do Mestre (postado a baixo), mostra as diferentes datas do nascimento de Jesus para algumas personalidades. Dentre as respostas, destaco duas: a de Joana de Cusa, que assim se pronunciaria se fosse perguntado onde e quando nasceu Jesus: “Jesus nasceu no dia em que, amarrada ao poste do circo em Roma, eu ouvi o povo gritar: - Negue! Negue!. E o soldado com a tocha acesa dizendo: - Este teu Cristo ensinou-lhe apenas a morrer? Foi neste instante que, sentindo o fogo subir pelo meu corpo, pude com toda certeza e sinceridade dizer: - Não me ensinou só isso, Jesus ensinou-me também a amá-lo”. E, com Maria de Nazaré, se fosse questionada com a mesma pergunta, nos diria: “Jesus nasceu em Belém, sob as estrelas, que eram focos de luzes guiando os pastores e suas ovelhas ao berço de palha. Foi quando o segurei em meus braços pela primeira vez e senti se cumprir a promessa de um novo tempo através daquele Menino que Deus enviara ao mundo, para ensinar aos homens a lei do amor”.
                O Natal deve ser uma rica oportunidade de questionamento interior, precisamos parar tudo na nossa vida e perguntar: quando Jesus nasceu para nós? E se a resposta não vier rápida, é bom nos preocuparmos, pois é bem provável que, mesmo com anos e anos de conhecimento da sua doutrina de luz, o Cristo ainda não tenha nascido em nós e se faz necessário cuidarmos para que Ele nasça.
                No mundo moderno, graças aos artifícios cada vez mais criativos da indústria e do marketing. Papai Noel ficou mais famoso que Jesus. Para muitas crianças e suas famílias, o Natal é o tempo do velhinho de barbas brancas e sorriso bonachão, que presenteia quem foi bonzinho o ano inteiro e tirou boas notas na escola. Para a maior parte das famílias, o Natal é apenas tempo de presentes e de festas em chácaras alugadas, sendo comemorado com caixas e caixas de cerveja, churrasco, piscina e funk no último volume. Porém para o verdadeiro cristão, deveria esta data ser o melhor tempo de reflexão sobre o por que da vida de Jesus à Terra e qual o legado que Ele nos deixou. “Porque tive fome, e me destes de comes; tive sede, e me destes de beber; era forasteiro, e me acolhestes; estava nu, e me vestistes; adoeci, e me visitastes; estava na prisão e fostes ver-me. Em verdade vos digo que, sempre que o fizestes a um destes meus irmãos, mesmo dos mais pequeninos, a mim o fizestes”. Esta é a dica que o próprio Mestre nos deixou para sabermos onde ele precisa nascer: em nós. E qual a festa de aniversário que ele desejaria ter? mesa farte, bebidas, presentes? Todo Natal deveria ter três momentos distintos: o momento da Prece, in instante da Reflexão sobre os objetivos alcançados e, por fim, uma análise crítica interior, se estamos cumprindo com os compromissos assumidos por nós antes do reencarne.
                Comemorar o nascimento de Jesus é buscar nos conhecermos melhor, conformando nossa vida com a Vontade de Deus (cuidar da reforma íntima e nos tornarmos homens e mulheres de Bem, edificando dentro de nós o belo, o bem e a justiça). Nos falta consciência, falamos muito, mas ainda não sentimos a fraternidade pulsar em nosso coração. Os interesses espirituais ainda não tem vez e nem voz em nossos corações; a doce e confortadora Doutrina do Cristo, embora nos tenha sido revelada há dois mil anos, ainda não nos mudou o suficiente. Reflitamos para que a festa de Natal seja, na realidade, uma oportunidade de renovação; tempo da gente se decidir a mudar para melhor, amando, servindo e exercendo o trabalho no bem, na solidariedade e na tolerância, com muita fraternidade. Pensemos nisso, neste Natal, para que o Cristo nasça na humilde manjedoura em que devem se converter os nossos corações.

Orlando Ribeiro
Fonte: Jornal Espiritismo Estudado – nov/2014

Cristo nasceu? Onde? Quando?
A salvação não está numa finalidade a que se convencionou denominar céu ou paraíso: está, sim, na perpétua renovação da vida para a frente e para o alto. Avançar, como disse São Paulo, de glória em glória, tal é, em síntese, o trabalho e o plano da redenção. Jesus é a força viva que, uma vez encarnada no homem, determina a sua constante transformação.
"O Verbo se fez carne e habitou entre nós, cheio de graça e verdade, e vimos a sua glória como de unigênito do Pai. Mas a todos os que o receberam, aos que creem em seu nome, deu ele o direito de se tornarem filhos de Deus; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas sim de Deus."
A prerrogativa de unigênito do Pai, Jesus a torna extensiva a todos os que de boa vontade o receberem. E assim se opera o seu natalício no coração do pecador.
O menino que Maria enfaixou, deitando-o, em seguida, numa manjedoura, é a figura desse Jesus que é força, que é poder, que é vida e verdade, atuando no interior do homem.
Invoquemos, em abono de nossa asserção, o testemunho de algumas personagens que figuram na esfera cristã como astros de primeira grandeza.
Perguntemos a Paulo — onde e quando Jesus nasceu? Ele nos dirá: Foi na estrada de Damasco, quando eu, então intolerante e fanatizado por uma causa inglória, me vi envolvido na sua divina luz. Dali por diante — "já não sou eu mais quem vive, mas o Cristo é que vive em mim".
Indaguemos de Madalena, onde e quando nasceu Jesus. Ela nos informará: Jesus nasceu em Betânia, certa vez em que sua voz, ungida de pureza e santidade, despertou em mim a sensação de uma vida nova, com a qual, até então, jamais sonhara.
Ouçamos o depoimento de Pedro, sobre a natividade do Senhor, e ele assim se pronunciará: Jesus nasceu no átrio do paço de Pilatos, no momento em que o galo, cantando pela terceira vez, acordou minha consciência para a verdadeira vida. Daí por diante, nunca mais vacilei diante dos potentados do século, quando me era dado defender a Justiça e proclamar a verdade, pois a força e o poder do Cristo constituíram elementos integrantes de meu próprio ser.
Chamemos à baila João Evangelista e peçamos nos diga o que sabe acerca do natal do Messias, e ele nos dirá: Jesus nasceu no dia em que meu entendimento, iluminado pela sua divina graça, me fez saber que Deus é amor.
Dirijamo-nos a Zaqueu, o publicano, e eis o seu testemunho: Jesus nasceu em Jericó, numa esplêndida manhã de sol, quando eu, ansioso por conhecê-lo, subi numa árvore, à beira do caminho por onde ele passava, contentando-me com o ver de longe. Eis que ele, amorável e bom, acena-me, dizendo : Zaqueu, desce, importa que me hospede contigo. Naquele dia entrou a salvação no meu lar.
Interpelemos Tomé, o incrédulo: Quando e onde nasceu o Mestre? Ele, por certo, retrucará: Jesus nasceu em Jerusalém, naquele dia memorável e inesquecível em que me foi dado testificar que a morte não tinha poder sobre o Filho de Deus. Só então compreendi o sentido de suas palavras: "Eu sou o caminho, a verdade e a vida."
Apelemos, finalmente, para Dimas, o bom ladrão: Onde e quando Jesus nasceu? Ele nos informará: Jesus nasceu no topo do Calvário, precisamente quando a cegueira e a maldade humana supunham aniquilá-lo para sempre; dali ele me dirigiu um olhar repassado de piedade e de ternura, que me fez esquecer todas as misérias deste mundo e antegozar as delícias do Paraíso. Desde logo, senti-o em mim e eu nele.
Tal foi o testemunho do passado — tal é o testemunho do presente, dado por todos os corações que, deixando de ser quais hospedarias de Belém, onde não havia lugar para o nascimento de Jesus, se transformaram, pela humildade, naquela manjedoura, que o amor engenhoso da mais pura e santa de todas as mães converteu no berço do Redentor do mundo.

Fonte: Em Torno do Mestre - Vinicius
imagem: google

4 comentários:

Priscila Benedetti disse...

Lindos os dois textos.
Temos que refletir sobre nossas atitudes, ou como diz em um dos textos, "quando Jesus nasceu para nós"
Temos que comemorar o nascimento do Mestre Jesus todos os dias e celebrar ainda mais agora, mas desprendendo de muita caridade, amor ao próximo e levando os ensinamentos dele para as pessoas e em nossos corações.
Feliz Natal para você e sua família.
Boas Festas!

Beijinhos.

Milton Kennedy disse...

Olá amiga Denise, obrigado pela passagem lá no blog.
Um Santo Natal para você e sua família. Excelentes realizações em 2015.
Abraços, saúde e paz interior.

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga Denise

Desejo para ti
braços bem abertos
para receber com carinho
o ano que se aproxima.
Ele traz um presente:
- Uma vontade de que olhes
para alguém ou para alguma coisa,
com olhos de primeira vez.
Recebendo este presente,
as sementes de alegria que te habitam,
estarão recebendo seu melhor alimento,
e assim se transformarão em realidade,
perfumando sua vida e sua alma
com sua maravilhosa, única e infinita
essência de felicidade.

Um ano novo de olhares novos para ti.

Aluísio Cavalcante Jr.

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida Denise
Tenha um tempo natalino e de fim de ano bem abençoado e feliz!!!
Bjm festivo