- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


quarta-feira, 31 de agosto de 2016

CARIDADE DO CENTRO ESPÍRITA

                A função primordial do Centro Espírita: ensinar, educar, divulgar, estudar... são caracteres da verdadeira caridade, sem prejuízo daquela a que todos nos envolvemos com mais facilidade que é a caridade material.
                Já é ponto pacífico no movimento espírita o entendimento da importância da divulgação e estudo de nossa Doutrina, como providência prioritária, para bem dotar a criatura humana de recursos que a auxiliem a vencer os desafios existenciais. Também, já é do conhecimento e prática dos espíritos a envolvimento e trabalho com as entidades assistenciais, inspiradas em nome do espiritismo, todas prestadoras de grandes serviços ao Brasil.
                Ao lado, porém, de todo esse trabalho executado ao longo de  décadas de dedicação e boa vontade, trago aos leitores alguns pontos para reflexão, extraídos do magnífico livro “Tramas do Destino”, do Espírito Philomeno de Miranda, psicografia de Divaldo Pereira Franco, relativos ao binômio Centro Espírita e assistência social. Acompanhe comigo (são trechos de diversos capítulos, em transcrições parciais do citado livro).
                São os seguintes pontos:
1.       Pensa-se muito em estômagos a saciar, corpos a cobrir, doenças a curar... Sem menosprezar-lhes a urgência, o Consolador tem por meta principal o Espírito, o ser em sua realidade imortal, donde procedem todas as conjunturas e situações, que se exteriorizam pelo corpo e mediante os contingentes humanos, sociais, terrenos.
2.       A assistência social no Espiritismo é valiosa, no entanto, se previnam os trabalhadores da última hora contra os excessos, a fim de que a exaustão com os labores externos não exaura as forças do entusiasmo nem derrube as fortalezas da fé, ao peso da extenuação e do desencanto nos serviços de fora.
3.       Evangelizar, instruir, guiar, colocando o azeite na lâmpada do coração, para que a claridade do espírito luza na noite do sofrimento, são tarefas urgentes, basilares, na reconstrução do Cristianismo.
4.       A caridade material merece consideração e carinho, dedicação e esforço de todos nós, que devemos conjugar forças para seu cumprimento. Mas a caridade mora, de profundidade, a tarefa do socorro espiritual, não contabilizada, nem difundida é urgentíssima, impondo-nos a necessidade de atenção e zelo.
5.       Que temos feito do valioso patrimônio da fé? Qual a nossa real posição perante a vida? Quais os esforços que envidamos para modificar a situação vingente?
6.       Dependerá do desejo salutar de nossa parte preservar e manter os estados vigentes do relaxamento moral e social, ou modificar as paisagens terrenas, iniciando a empresa em nós mesmos, desde agora...
7.       Estes dias resultam dos dias passados que se caracterizaram por sementeira infeliz.
8.       O futuro, no entanto, encontra-se aqui, a depender de nós todos e de cada um em particular.
9.       Multiplicam-se admiráveis locais de socorro humano, material, iniciados a expensas do Consolador, onde a técnica vem substituindo o amor, com a saturação do serviço pelo excesso e repetição gerando irritação e mal-estar e fazendo que se falhe nas horas do socorro moral, nos atos de paciência e humildade, nos ministérios espirituais da palavra esclarecedora, do passe reconfortador...
10.   Multiplicam-se os métodos de simplificação, ensejando frieza ao ministério e ausência de calor humano, falta de afeição espiritual ao sofredor.
11.   O tempo encolhe e a pressa lhe toma o lugar, não havendo, já, em muitas Entidades, lugar nem tempo para Jesus ou para os obsidiados, os ignorantes do espírito, os impertinentes, tais as preocupações, os compromissos sociais, as campanhas e movimentos pela aquisição argentária.
12.   Sem qualquer restrição à prática da caridade material, inadiável e sempre presente a todo tempo e em qualquer lugar, a excelente caridade moral, a luminosa caridade espiritual, que beneficiam o paciente e edificam o benfeitor, fortalecendo-os e alegrando-os no Senhor, com quem deverão manter fortes vínculos de perfeita comunhão interior, constituem-se em imperativo primordial e insubstituível.
Por isso, mãos à obra no trabalho de estudo e divulgação espírita. Investimento no estudo doutrinário, esforço na divulgação do livro, motivação ao próprio espírita para que se engaje mais e torne-se, também, um multiplicador desta mensagem forte de esperança e renovação do quadro social de nosso sofrido planeta.

Orson Peter Carrara


Fonte: Jornal Espiritismo Estudado – set/2015
imagem: google

Nenhum comentário: