- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -
PODEM NOS TIRAR AS FLORES, MAS NUNCA A PRIMAVERA.

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

GRITO LIBERTO


Quando você diz sim quando queria responder não, pode não se dar conta que está acumulando energia negativa que, a qualquer momento e que a qualquer momento poderá perder a paciência e jogar tudo para os ares.
                Possivelmente, essa explosão poderá acontecer no momento de uma situação banal. Esses “sapos” do dia a dia são atitudes “engolidas” por pessoas não-assertivas – aquelas com dificuldade de se expressar em grupo – e fazem mal à saúde! O comportamento de passividade será responsável por gerar sentimentos que permanecerão presos na garganta e que quando não manifestados por um tempo prolongado, poderão se transformar em crises nervosas e diminuição da imunidade fisiológica.
                Altos níveis de estresse, baixas autoestima e criatividade, instabilidade emocional, sentimentos autodestrutivos e até alteração na pressão arterial: esses sintomas são manifestados pelo organismo exatamente quando o indivíduo não se manifesta como deveria. Isso acontece porque o organismo libera substâncias, como a adrenalina, que, em excesso, favorecem o aparecimento de doenças autoimunes, resfriados, gastrites, infecções e até problemas cardiovasculares. O acúmulo das sensações provocadas pelo comportamento não-assertivo dão abertura para a entrada de crises emocionais e doenças oportunistas devido à queda da imunidade.
                O medo da reação alheia e a ansiedade também são vilões na vida dos não-assertivos. Esses comportamentos podem indicar que a pessoa está apenas querendo evitar possíveis confusões ou brigas, ou talvez buscando segurança para se expressar com atitudes mais sensatas e coerentes. Muitos queres planejar por um longo tempo a melhor maneira de mudar uma situação incômoda. Não significa que essa seja a estratégia para ser utilizada com freqüência. Se isso persiste por muito tempo e não tem essa função protetora, pode minar o potencial criativo e impedir o desenvolvimento.
                O que se passa na cabeça dos não-assertivos é que estão sendo contrariados. Eles sentem o incômodo de alguma situação, acham injusto, mas a aceitam. A incoerência entre os pensamentos e as atitudes gera desconforto e sofrimento que vão sendo guardados a cada novo episódio. É aí que acontecem os momentos de explosão e são acompanhados pela surpresa dos amigos, familiares, companheiros de trabalho ou estudos.
                Muitas vezes taxados como tranqüilos e passivos, os conhecidos por aceitar tudo e não confrontar nada acabam acumulando a frustração e raiva, além da insatisfação pela contrariedade não ser notada. Esses sentimentos reprimidos, que podem provocar a raiva e até transformar o indivíduo em alguém agressivo, também são responsáveis por uma enxurrada de hormônios de corticóides, que agem diretamente no cérebro, causando graves danos. A longo prazo, os efeitos são sérios, levam à instabilidade emocional e causam até a destruição de neurônios.
                Mas nem só de sapos e situações desagradáveis vivem as pessoas não-assertivas. A demonstração de bons sentimentos e a aceitação de elogios também mostram-se difíceis. No lugar do agradecimento, sempre aparecem frases do tipo “não mereço tanto”. Como elas sempre têm a expectativa e acham que têm de agradar a todos, acabam encontrando dificuldades para aceitar elogios. Tomar a iniciativa para dizer eu te amo, e demonstrar carinho, por exemplo, também leva tempo.
                Não significa que, a partir de agora, caso você esteja cansado de “engolir sapos”, seja preciso começar a “soltar os cachorros” com o primeiro que aproveitar da sua dificuldade de se fazer entender. Pelo contrário, o caminho para conseguir se manifestar de maneira mais saudável e sensata exige um novo aprendizado. O primeiro passo é começar a fazer esse treinamento nos pequenos aborrecimentos do dia a dia. Deve começar com pessoas próximas e ir subindo até chegar às hierarquias, seguindo, se preciso, orientações de um profissional. Vale também fazer exercícios de respiração e relaxamento, valorizar as atividades físicas, intelectuais, profissionais e sociais para mandar embora a insegurança de se expressar. Desde que sua opinião ou vontade sejam impostas com educação e clareza, não se preocupe, pois contrariar alguém não é pecado.

Extraído da revista Bem Estar – 6/11/2011
Encarte do Jornal Diário da Região – São José do Rio Preto


x_3c9af347

Um comentário:

Dilmar Gomes disse...

Amiga Denise, mais um texto precioso, publicado aqui. Um abraço.
Tenhas uma boa noite.