- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

LEI E JUSTIÇA, AMOR E CARIDADE


Direito e justiça deveriam ser sinônimos perfeitos, ou seja, deveriam expressar a mesma virtude, pois, se aquele significa o que é justo, esta se traduz por conformidade com o direito.
                Lamentavelmente, porém, aqui na Terra, direito e justiça nem sempre se correspondem, porque, ignorando ou desprezando a Lei de Deus, outorgada para a felicidade universal, a justiça humana há feito leis prescrevendo como direitos umas tantas práticas que favorecem apenas os ricos e poderosos, em detrimento dos pobres e dos fracos, o que implica tremenda iniqüidade, assim como há concedido a alguns certas prerrogativas que de forma nenhuma poderiam ser generalizadas, constituindo-se, por conseguinte, em privilégios, quando se sabe que todo privilégio é contrário ao direito comum.
                Ora, esses modos de agir, conquanto baseados na jurisprudência terrena, não se harmonizam com a verdadeira justiça, a justiça natural, que o divino mestre Jesus sintetizou na máxima: Tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-o também vós a eles (Mat. 7:12).
                Se aplicássemos em nossas relações sociais, em toda e qualquer circunstância, jamais erraríamos. Ninguém deseja para si senão o que é agradável, bom e útil; assim, se cada qual procedesse com seus irmãos de conformidade com aquela regra, é evidente que só lhes faria o bem, resultando da a extinção do egoísmo, que é a causa mater de quase todos os atritos e conflitos que infelicitam a humanidade.
                Em todos os tempos e sob o império de todas as crenças o homem sempre se esforçou para que prevalecesse o seu direito pessoal. A sublimidade da religião cristã está em que ela tomou o direito pessoal por base do direito do próximo.
                Talvez nos digam que se os homens atribuírem a si mesmos, indistintamente, iguais direitos, a hierarquia de poderes será desfeita e então o caos, e não a ordem, é que prevalecerá no complexo social.
                Respondemos com as vozes do Alto:
                “Os direitos naturais são os mesmos para todos os homens, desde os de condição mais humilde até os de posição mais elevada. Deus não fez uns de limo mais puro do que o de que se serviu para fazer os outros, e todos, aos seus olhos, são iguais. Esses direitos são eternos. Os que o homem estabeleceu perecem com as suas instituições. Demais, cada um sente bem a sua força ou a sua fraqueza e saberá sempre ter uma certa deferência para com os que a mereçam por suas virtudes, é importante acentuar isto, para que os que se julgam superiores conheçam seus deveres, a fim de merecer essas deferências. A subordinação não se achará comprometida, quando a autoridade for deferida á sabedoria”. (Livro dos Espíritos q. 878)
                Com efeito, não há razão para temer-se que o reconhecimento da igualdade dos homens possa prejudicar a organização social.
                À medida que os homens progridem em moralidade, melhores concepções vão tendo acerca de tudo, de sorte que, quando o cristianismo se haja implantado, de verdade, em cada coração, o direito e a justiça confundir-se-ão finalmente, fundamentando-se numa só norma: ama a teu próximo como a ti mesmo, pois em tal consiste toda a Lei e os Profetas.
                                                                         
Do Livro: As Leis Morais – Rodolfo Calligaris        


x_3c9af347

Um comentário:

Donetzka Cercck Lavrak Alvarez disse...

MARAVILHOSO,DENISE.

DIREITO E JUSTIÇA SEMPRE JUNTOS.

E O ESPÍRITO APRIMORARÁ.

TOMARA QUE COM MUITOS.

ÓTIMO FIM DE SEMANA,AMIGA.

PAZ PROFUNDA.

BJS

DONETZKA