- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

O DESAFIO DA CONVIVÊNCIA COM O QUEIXOSO III

             
              Muitas vezes o próprio casamento ou qualquer outra parceria pode ruir se um dos integrantes está entregue a esta prática. Temos relatos de casais que se gostam e possuem planos e sonhos de estabelecer uma vida comum, falirem em seus objetivos tendo como causa a lamentação constante.
                Partindo do princípio de que a base para o amor no matrimônio é a admiração, ou seja, apenas amamos aqueles a quem antes aprendemos a admirar, ao praticar a reclamação constante vamos perdendo a admiração e o amor perde uma de suas bases mais sólidas.
                Agrava-se o quadro quando não são respeitados nem mesmos os horários de refeição e enquanto nos alimentamos, ingerimos como tempero os aspectos negativos de um dos companheiros.
                Ora, claro que podemos e devemos dividir nossas dificuldades com os que convivem conosco, contudo, quando a reclamação passa a ser constante, já como uma patologia comportamental, perdemos o bom senso de respeitar alguns momentos especiais para a saúde da convivência.
                Outro momento que deveria ser poupado das queixas, são os momentos que precedem o sono. Após ouvir ou proferir uma sequência empolgante de queixas e ir dormir, acabamos sendo embalados por aspectos nada agradáveis e que acabam por influenciar nossa qualidade de sono.
                Em certa oportunidade, estava viajando num roteiro de palestras hospedado na casa de um amigo. Após a palestra, como de costume, ficamos conversando até altas horas na casa daquele que me hospedava. A certa altura da noite, o dono da casa disse que iria dormir, mas que nós poderíamos prosseguir com a conversa e assim foi. Ele levantou-se e saiu.
                Passados mais trinta minutos, resolvi da mesma forma me recolher e assim todos foram. O interessante é que ao ir para onde eu deveria dormir,  passei primeiro, e ele estava lá, sentado sozinho no quarto, o que me chamou a atenção pois era para ele estar dormindo há muito tempo. Não controlando a curiosidade, perguntei:
                - Não dormiu ainda?
                E a resposta me deixou mais curiosos ainda, pois respondeu:
                - Estou descansando para dormir!
                Não disse nada, mas confesso que achei estranho e me coloquei a pensar naquele comportamento totalmente inovador, pelo menos para mim.
                Contudo, refletindo sobre a situação, cheguei à conclusão de que ele tinha absoluta razão e com fácil entendimento. Basta lembrar das vezes que vamos dormir e acordamos mais  cansados no dia seguinte. Irmos para o repouso do sono embalados por situações e pensamentos perturbadores, nos roubam os benefícios que o descanso deveria proporcionar. Desta forma, parar e acalmar os pensamentos e o coração antes de dormir inevitavelmente gera um resultado feliz, agregando qualidade e garantindo uma manhã renovada.
                Sendo assim, evite as queixas antes do sono, geralmente não são boas companhias.
                A queixa dentro de qualquer ambiente é sempre prejudicial mas, no espaço do lar ela se projeta como um vírus eficaz devorando as possibilidades de convivência, reduzindo o diálogo e separando pessoas dentro da mesma casa. Devemos, por um dever moral, estimular nossos companheiros a atingirem seus sonhos e objetivos, afinal, se Jesus recomendou amar até mesmo aos inimigos, imaginemos com que atenção Ele não recomendaria tratar aos que nos oferecem o coração!


Do livro: Terapia Antiqueixa – Roosevelt Andolphato Tiago
imagem: www.cientistaqueviroumae.com.br


x_3c9af347

Um comentário:

Dilmar Gomes disse...

Pois é amiga Denise, pessoas extremamente queixosas retiram a tranquilidade de qualquer ambiente.
Um abração. Tenhas uma boa noite.