- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sábado, 17 de setembro de 2016

ENGANOS E EQUÍVOCOS

                “Crescerás horizontalmente, conquistarás o poder e a fama, reverenciar-te-ão a presença física na terra, mas, se não trouxeres contigo os valores do bem, ombrearás com os infelizes em marcha imprevidente para as ruínas do desencanto”.  (Emmanuel, no livro “Fonte Viva”, psicografia Francisco Cândido Xavier)
                Em todos os setores do mundo, nunca se observou tantas conquistas tecnológicas e avanços materiais como nos dias presentes, e, em todos os níveis humanos, nunca se identificou tantas dores e sofrimentos, aflições e angústias como nos momentos atuais.
                Cresce o homem em intelectualidade ao passo que distancia-se da moralidade. A vida na Terra torna-se mais confortável e atrativa e os dramas sociais e psicológicos prosperam assustadoramente.
                As criaturas, observando as condutas que imprimem, parecem querer viver de forma onde para se conseguir a realização dos sonhos e desejos, tudo pode, tudo vale, mesmo que o preço pago para isso seja alto demais.
                Os valores morais e espirituais seguem esquecidos ou relegados a planos secundários, enquanto os valores materiais, sensuais e transitórios são buscados com sofreguidão e ansiedade.
                Se estamos no mundo é obvio que não podemos deixar de viver nele e contar com os recursos de toda natureza que ele nos oferece, o perigo e o equívoco estão em se dedicar mais atenções ao que é efêmero, ilusório e passageiro do que ao que é definitivo e duradouro.
                O resultado aí está estampado; tragédias, dramas, complicações familiares, acidentes e outros que formam o cortejo indesejável, mas real, da vida que levamos.
                O consumo tabagista, com as consequências nefastas que trás, anda a níveis extraordinários, onde proporcionamos lucros às empresas fabricantes de cigarros e poluímos o nosso corpo com a sujeira dos malefícios que arruínam a nossa saúde.
                O álcool, esse veneno livre, tem imensa adesão e é aplaudido por quase a totalidade humana, deixando à retaguarda um rastro de violência e destruição, muitas vezes irreversível. E o que é ainda pior e triste, sendo consumido, cada vez mais, por crianças e jovens desavisados, principalmente diante da omissão dos próprios pais e responsáveis.
                Os tóxicos mais pesados, que movimentam clandestinamente milhões de reais, ajudam, com forte poder, a destruir a jovem geração do presente, esta que deverá forjar o caráter, o amadurecimento e as experiências daqueles que terão, em dias futuros, os destinos sociais nas mãos. Por quem e como seremos dirigidos amanhã?
                A sexualidade tomando caminhos bestiais, embrutecidos e animalizados, onde se substitui o sentimento das uniões respeitosas e dignas entre as pessoas, tornando-se uma ilha de prazer e loucuras sem freios, limites e medidas. Uniões e desuniões se processam num verdadeiro bailado de indiferenças para com os nobres valores humanos.
                E as famílias decorrentes desses descasos e sentimentos brutalizados vão se esfacelando, produzindo com isso criaturas desequilibradas, omissas e perigosas que chegando ao meio social esparramam a ruína e a dor.
                Será que essa é a proposta humana? Viver na Terra como se tudo possa durar tão pouco? Alguns anos, décadas? É, então, tempo de perguntar: De onde viemos, o que fazemos aqui e para onde vamos?
                Ainda dá para refletir e mudar. Informações não nos faltam, da ciência, da filosofia e da religião. Busquemos por elas para redirecionarmos a rota da nossa existência.
                Não estamos numa colônia de férias, nem num paraíso de delícias, mas neste mundo, em busca de consolidação dos valores definitivos, tais como amor, respeito, caridade, solidariedade, disciplina, paciência, etc, tudo o mais que diferir deles, por certo, nos acarretarão sérios problemas e dissabores.
                Todos desejamos a felicidade, mas a forma e a maneira de busca-la é que nos garantirão as condições básicas para conseguí-la ou não.
                Tomemos cuidado com os enganos e equívocos.

Waldenir Cuin


Fonte: Jornal Espiritismo Estudado – Set/2015
imagem: google

Nenhum comentário: