- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

INDIFERENÇA


                Nos estados depressivos a apatia se manifesta, não raro, dominando as paisagens emocionais da pessoa. Essa apatia impede a realização de atividades habituais, matando o interesse por quaisquer objetivos. É uma indiferença tormentosa, que isola, a pouco e pouco, o paciente, do mundo objetivo, alienando-o.
                Além dessa manifestação psicopatológica, há aquela que resulta da viciação mental em não se preocupar com as outras pessoas, nem com o lugar onde se encontra. Tão grave quanto a primeira, essa indiferença provém de vários conflitos, como as decepções em relação à própria existência,  em demasiada valorização do secundário em detrimento do essencial, que é a própria vida e não aqueles que a utilizam egoisticamente, de forma infeliz, com desrespeito pelo seu próximo, pela sociedade.
                Noutros casos, há a atitude egocêntrica, que remanesce da infância e não alcançou a maturidade psicológica na idade adulta, sentindo-se o ser desconsiderado, desamparado, sem chance de triunfar; o cansaço decorrente de tentativas malogradas de auto-afirmação, de empreendimentos perdidos; o desamor, em razão de haver aplicado mal o sentimento, como troca de interesses ou vigência de paixões; o abandono de si mesmo pela falta de auto-estima. Para esse tipo psicológico é mais fácil entregar-se à indiferença, numa postura fria de inimigo de todos, do que lutar contra as causas desse comportamento.
                Vício mental profundamente alienador, arraigado nos derrotistas, a indiferença termina por matar os sentimentos, levando o paciente a patologias mais graves na sucessão do tempo.
                Caracteriza também a personalidade esquizofrênica de muitos títeres e algozes da humanidade, a insensibilidade que resulta da indiferença, quando praticam crimes, por mais hediondos sejam.
                Inicia-se, às vezes, numa acomodação mental em relação aos acontecimentos, como mecanismo de defesa, para poupar-se o trabalho ou a preocupação, caracterizado num triste conceito: Deixa pra lá.
                Toda questão não resolvida, retorna complicada.
                Ninguém se pode manter em indiferença no inevitável processo da evolução. A vida é movimento e o repouso traduz pobreza de percepção dos fenômenos em volta.
                Quando a indiferença começar a sinalizar as atividades emocionais, faz-se urgente interrompê-la, aplicar-lhe a terapia da mudança do centro de interesse emotivo, despertando outras áreas do sentimento, adormecidas ou virgens, a fim de poupar-se o indivíduo à sua soberania. Acostumando-se-lhe, inicia-se uma viciação mental mais difícil de ser corrigida, por ter um caráter anestesiante, tóxico, ao largo do tempo.
                Se o estresse responde pela sua existência, em alguns casos, o relaxamento, acompanhado de novas propostas de vida, produz efeito salutar, que deve ser utilizado.
                O fluxo divino da força da vida é incessante, e qualquer indiferença significa rebeldia aos códigos do movimento, da ação, proporcionando hipertrofia do ser e paralisia da alma.
                Uma análise do próprio fracasso em qualquer campo redunda eficaz, para retirar proveitosa lição dele e levantar-se para novas tentativas.
                Nas experiências retributivas da afetividade mal direcionada, das quais resulta a síndrome da indiferença, a escolha pelo amor sem recompensa, pelo bem sem gratidão, emula o indivíduo a sair do gelo interior para os primeiros ardores da emotividade e da auto-realização.
                Nunca deixar que a indiferença se enraíze. E se, por acaso crer que a própria vida não tem sentido nem significado, num gesto honroso de arrebentar algemas, deve experimentar dar-se ao próximo, a quem deseja viver, a quem, na paralisia e na enfermidade, busca uma quota mínima de alegria, de companheirismo, de afeto e de paz. Fazendo-o, esse indivíduo descobre que se encontra consigo mesmo no seu próximo ao doar-se, assim recuperando a razão e o objetivo para viver em atividade realizadora.

Do livro: AUTODESCOBRIMENTO UMA BUSCA INTERIOR
Divaldo Pereira Franco/Joanna de Ângelis        

Glitter Symbols - ImageChef.com

3 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Excelente post, amiga Denise. Bom para começar o ano refletindo sobre abnegação, doação, entusiasmo...
Um grande abraço. Tenhas uma linda passagem de ano.

O SENHOR DO TEMPO disse...

VIM LHE PRESTIGIAR O VOSSO ARTIGO

BELAS PALAVRAS

COMO SEMPRE VISITAREI

BRUNO

Sandra disse...

Vim retribuir o seu carinho e dizer que te admiro muito. Obrigada pela visita ao blog.
Quero desejar a VOCÊ, um excelente Ano Novo, repleto de alegrias, Paz e amor.
Que a virasa do ano novo seja de reflexão, um momento especial para repensar tudo o que foi feito e ainda desejamos fazer. Feliz Ano Novo.
Que 2012 seja repleto de SAUDE, PAZ, ALEGRIA E AMOR, além de muito SUCESSO!!
Que em 2012 nossa AMIZADE seja ainda melhor. Que sejamos Amigos Para Sempre...Nossa amizade é alegre, Sincera, gostosa e tem muitas atitudes. A vida ganha um novo sentido com ela.
Que em 2012, você possa abrir seu coração e sonhar muito...Realizar muito...Sorrir Muito...Ser muito Feliz.. Sonhe.. Deseje...Realize..
Seja muito Feliz e volte a ser criança...viva com muita emoções...
Lhe desejo um Feliz Ano Novo, cheio de Luz, Alegria, Amor, Paz, Sucesso e Saúde...Que você realize todos os seus desejos e sonhos, mas principalmente que continue a sonhar...Sempre...
Feliz ano Novo.. Cheio de Energias boas e muita Luz, para guiar seus caminhos.
Carinhosamente,
Sandra

HAPPY NEW YEAR.