- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sábado, 17 de novembro de 2012

BEBER ALCOÓLICOS É UM FLAGELO SOCIAL


                Se analisarmos atentamente os flagelos da sociedade, na base dos homicídios, quase sempre estão ocorrências atreladas ao consumo de álcool. Os tribunais estão abarrotados de processos em face dos delitos oriundos do consumo de alcoólicos. As penitenciárias estão superlotadas por questões vinculadas ao consumo de bebidas alcoólicas. Muitas famílias estão aniquiladas, desestruturadas por causa dos alcoólicos de vários arranjos (destilados ou fermentados).
                Os alcoólicos não matam a sede, não aquecem no frio, ao relaxam músculos. Revoguemos esses e outros mitos de que os alcoólicos podem ser bebidos com moderação – isso quase sempre não é verdade. Sob o escudo das desculpas esfarrapadas, um espantoso número de pessoas tem absolvido a devassidão do consumo de bebidas alcoólicas em suas práticas usuais. Muitos são os paranóicos de plantão que se abeiram da insensatez para afiançar eu até mesmo o Cristo bebeu vinho. Nada mais hediondo que essa forma leviana de rebaixar o Mestre até as alamedas de imoralidade e morbidez em que estagiam os viciados.
                Beber é histórica e culturalmente considerado um hábito social inofensivo, um prazer, uma curtição. Tudo muito irônico, até no escárnio das piadas sobre os bêbados. A rigor, o alcoolismo é uma enfermidade grave e crônica que, como qualquer dependência, não tem cura, porém tem tratamento. Desde 2003, os cientistas já afirmavam ter descoberto um gene importante para a explicação dos inúmeros efeitos do álcool no cérebro, e esperavam poder produzir um medicamento que desativasse alguns dos efeitos de prazer ligados à ingestão do álcool, e talvez tentar combater o alcoolismo com remédio. Não deu certo!
                O vício, seja revestido de que caráter for, e onde for e por quem for cometido, nunca deixará de ser um ato nefasto, carecendo ser eliminado a fim de que se reerga o sujeito a ele jugulado, para conseguir seus apropriados caminhos de renovação e exultação.
                Nessas vias em que o vício se oferece como coisa admitida, existem os que fazem questão de se despontar impassíveis a quaisquer advertências do bom senso, sinalizando com o livre-arbítrio, enquanto outros perpetram deboches dos que pregam virtudes, provocando-os com a ridícula exposição de suas moléstias, tão logo acabam de ouvir ou de ler qualquer admoestação ponderada.
                Ingerir alcoólicos apenas para manter companhias sociais, ou para que tragam excitações artificiais para a desinibição ou para o que for, poderá denotar longo período de destrambelhamento e de agonias nos imperiosos desagravos do corpo e da mente, em função dessas autodestruições que se vão perpetrando à sombra de muitas falácias que encachaçam os ouvidos com citações de efeito, bem arranjadas, mas que não impetram apaziguar a consciência, onde agitam as Sublimes Leis.
                Num contexto social permissivo, o vício da ingestão de alcoólicos torna-se expressão de status, atestando a decadência de um período histórico que passa lento e doído. Vale ressaltar que ao reencarnarmos trazemos conosco os remanescentes de nossas faltas como raízes congênitas dos males que nós mesmos plantamos. O espiritismo também relata e adverte sobre a influência espiritual oculta, ou seja, o meio espiritual que respiramos pode contribuir para o surgimento de um determinado vício. O viciado e álcool quase sempre tem a seu lado entidades inferiores que o induzem á bebida, nele exercendo grande domínio e dele usufruindo as mesmas sensações etílicas.
                Há o mito de que a nefasta maconha leva os jovens a outras drogas. Mas é o álcool que faz esse papel. E a própria família incentiva o consumo. O álcool gera uma doença de longa evolução (dez anos em média) e o abuso entre jovens os leva a drogas maiores – uma delas é o exstasy, encontrado em dois tipos de pastilha: a MAP (meta-anfetamina) e a MDMA (metil-dietil-MA), esta com propriedades alucinógenas. O adolescente se expõe hoje muito mais ao álcool. Está se formando uma geração de dependência de álcool. Além dos riscos à saúde, há s perigos de dirigir embriagado, da violência e de traumatismos decorrentes do abuso de álcool.
                Sabemos que tudo se inicia no primeiro gole. Depois vem a necessidade do segundo, do terceiro e o alcoolismo se instala em nossas vidas. A sede, o sabor, a oportunidade social, as comemorações, a obrigatoriedade em aceitar um drinque oferecido por um amigo, são as muitas desculpas nas quais nos apoiamos para ingerir as doses que mais tarde serão letais. Precisamos estar atentos para não cometer exageros, abusos, e não resvalar por ess hábito social, que pode terminar por nos condicionar a ele e nos transformar num trapo de gente, num farrapo humano. Ressalte-se que os limites entre o uso social e a dependência nem sempre são claros.
                Allan Kardec indagou à espiritualidade se o homem poderia, pelos seus próprios esforços, vencer suas inclinações más. Os espíritos, de maneira objetiva, responderam afirmativamente, explicando que o que falta nos homens (sobretudo nos viciados) é a força de vontade e a legítima fé em Deus.

Jorge Hessen

Fonte: Jornal Espiritismo Estudado – setembro/2012


x_3c9af6bf

2 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Amiga Denise, o álcool é realmente um flagelo.
Um abraço. Tenhas uma boa noite.

Donetzka Cercck Lavrak Alvarez disse...

GRANDE VERDADE E LINDO POST!


SE HOUVESSE VONTADE REAL TODOS DEIXARIAM ESSE VÍCIO E TANTOS OUTROS,POIS O FLAGELO É COM A PRÓPRIA PESSOA E OS FAMILIARES.

FALTA DEUS NOS CORAÇÕES!

BEIJOS E LINDA SEMANA!

DONETZKA