- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


quinta-feira, 8 de novembro de 2012

LEI DA DESTRUIÇÃO


Já foi dito que a vida orgânica é indispensável à evolução dos seres, e daí haver Deus estabelecido as leis de reprodução e de conservação com o fim de, por meio delas, assegurar o desenvolvimento do princípio inteligente que neles se elabora.
                Pois bem, a lei de destruição é, por assim dizer, o complemento do processo evolutivo, visto ser preciso morrer para renascer e passar por milhares de metamorfoses, animando formas corporais gradativamente moais aperfeiçoadas, e é desse modo que, paralelamente, os seres vão passando por estados de consciência cada vez mais lúcidos, até atingir, na espécie humana, o reinado da razão.
                Destarte, em última análise, a destruição não é mais que uma transformação que tem por finalidade a renovação e a melhoria dos seres vivos.
                A parte essencial dos seres não é o envoltório físico, mas o elemento anímico que o impulsiona, elemento esse que, sendo também imortal nos animais, retorna ao palco da vida terrena para a continuação de sua jornada progressiva, como ocorre com todas as criaturas de Deus.
                Sob outro prisma, ao se destruírem uns aos outros, pela necessidade de se alimentarem, os seres infra-humanos mantêm o equilíbrio na reprodução, impedindo-a e tornar-se excessiva, contribuindo, ainda, com seus despojos, para uma infinidade de aplicações úteis à humanidade.
                Restringindo o exame desta questão apenas ao procedimento do homem, que é o que mais nos interessa, aprendemos com a Doutrina Espírita que a matança de animais, bárbara sem dúvida, foi, é e será por mais algum tempo necessária aqui na Terra, devido às suas grosseiras condições de existência. À medida, porém, que os terrícolas de depurem, sobrepondo o espírito à matéria, o uso de alimentação carnívora será cada vez menor, até desaparecer definitivamente, qual se verifica nos mundos mais adiantados que o nosso.
                Aprendemos, mais, que em seu estado atual o homem só é escusado dessa destruição na medida em que tenha de prover ao seu sustento e garantir a sua segurança. Fora disso, quando se empenha em caçadas pelo simples prazer de destruir, ou em esportes mortíferos, como as touradas, o tiro aos pombos, etc, terá que prestar contas a Deus por esse abuso, que revela, aliás, predominância dos maus instintos.
                No que tange aos flagelos naturais, como as inundações =, as intempéries fatais à produção agrícola, os terremotos, os vendavais, etc, que soem causar tantas vítimas, instruem-nos, ainda, os mentores espirituais, são acidentes passageiros no destino da Terra, que haverão de cessar no futuro, quando a humanidade que a habite haja aprendido a viver segundo os mandamentos de Deus, pautados no Amor, dispensando, então, os corretivos da dor.
                Uma vez que a destruição se nos apresenta como uma lei natural, a pena de morte aplicada alhures, com o objetivo de eliminar os elementos tidos como perigosos, será também uma necessidade?
                Não! O homem julga necessária uma coisa, sempre que não descobre outra mais conveniente. À proporção que se instrui, vai compreendendo melhormente o que é justo e o que é injusto e repudia os excessos cometidos nos tempos de ignorância, em nome da justiça.
                Com efeito, há muitos outros meios comprovadamente mais eficazes de preservar a sociedade, do que o assassínio daqueles que a prejudicam, mesmo porque todo delinqüente é um enfermo da alma, e aos enfermos deve-se acudir com a medicina e não com a morte.
                A propósito, cumpre se diga que, graças ao progresso social, diminuiu consideravelmente o número de povos e dos casos em que tal pena continua em vigor, e dia virá em que será completamente abolida.

Do Livro: As Leis Morais – Rodolfo Calligaris


x_3c9af6bf

Nenhum comentário: