- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -
PODEM NOS TIRAR AS FLORES, MAS NUNCA A PRIMAVERA.

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

HISTÓRIA - A Dor


                Ela era uma garota que vivia a se queixar da vida. Tudo lhe parecia difícil e se dizia cansada de lutar e combater. Seu pai, que era um excelente cozinheiro, a convidou, certo dia, para uma experiência na cozinha.
                Tomou três panelas, encheu-as com água e colocou cenouras em uma, ovos em outra e pó de café na terceira. Deixou que tudo fervesse, imaginando o que é que seu pai estava fazendo com toda aquela encenação. Depois de tudo fervido, o pai colocou as cenouras e os ovos em uma tigela e o café em outra.
                - O que você está vendo? – perguntou.
                - Cenouras, ovos e café, respondeu ela.
                Ele a trouxe mais perto e pediu-lhe para experimentar as cenouras. Ela notou como as cenouras estavam macias. Tomando um dos ovos, quebrou a casca e percebeu que estava duro. Provando um gole de café, a garota sentiu o sabor delicioso. Voltou-se para o pai, sorriu e indagou:
                - O que significa tudo isto, papai?
                - É simples, minha filha. As cenouras, os ovos e o café ao enfrentarem a mesma adversidade, a água fervendo, reagiram de formas diferentes. A cenoura entrou na água firme e inflexível. Ao ser submetida à fervura, amoleceu e se tornou frágil. O ovo era frágil. A casca fina protegia o líquido interior. Com a água fervendo, se tornou duro. O pó de café, por sua vez, é incomparável colocado na água fervente, ele mudou a água.
                Voltando-se para a filha, perguntou o homem experiente:
                - Como é você, minha filha? Quando a adversidade bate à sua porta, você reage como a cenoura, o ovo ou o café? Você é uma pessoa forte e decidida que, com a dor e as dificuldades se torna frágil, vulnerável, sem forças, como as cenouras? Ou você é como o ovo? Delicada, maleável, casca fina, que, com facilidade se rompe mas que, ao receber as notícias do desemprego, de uma falência, da morte de um ser querido, do divórcio, se torna dura, inflexível? Quanto mais sofre, mais obstinada fica, mais amarga se torna, encerrada em si mesma? Ou você é como o pó de café, quando as coisas vão ficando piores, você se torna melhor e faz com que as coisas em torno de você também se tornem melhores.
                Nós somos a criança da história e Deus é quem está tentando nos esclarecer sobre os mistérios da dor. Se ele nos fizesse a pergunta, qual seria a resposta que lhe daríamos. Como nós reagimos diante dos obstáculos que encontramos pelo caminho? Sabemos enfrentar as adversidades sem perder a fé? Temos consciência de que o sofrimento, quando suportado com paciência e resignação, será o nosso passaporte para a libertação, depois da morte física e durante a vida espiritual?

Orlando Ribeiro

Fonte: Jornal Espiritismo Estudado – setembro/2012

x_3c9af347

2 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Amiga Denise, como já disse em outras vezes, aqui a gente aprende.
Um abraço. Tenhas uma boa tarde.

Donetzka Cercck Lavrak Alvarez disse...

Linda lição de vida,Denise!

As adversidades têm que ser enfrentadas com fé em Deus que sempre conhece os melhores caminhos e o peso da cruz que podemos carregar.

Beijos e Paz Profunda!


Donetzka