- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


domingo, 6 de julho de 2014

JESUS E REVOLUÇÃO III

É certo que, beneficiados, quase todos que Lhe receberam a claridade libertadora foram adiante, a sós, por eleição pessoal.
Muitos, se não a quase totalidade, foram ingratos; outros tantos recaíram nas redes em que se amolentaram na indolência; diversos O acusaram, inconscientes e inadvertidos. Todos, porém, sem exceção, não ficaram indenes ao Seu magnetismo, à Sua afabilidade, ao Seu poder.
Revolucionário por excelência, estabelecia a luta de dentro para fora: a morte do homem velho e o nascimento do homem novo.
Oferecia a contribuição do primeiro passo. Os demais pertenciam ao candidato, que os deveria dar.
A obra era geral; a ação de cada um, que lhe cabia realizar.
Seguindo à frente, aplainava a estrada.
Os inimigos estavam no foro íntimo dos combatentes.
Ele sabia, também, que o esforço era árduo e só a perseverança, o tempo e o trabalho levariam à vitória. Assim, não se irritava, e nunca se impacientava.
Se desejas, realmente, a cura dos teus males, deixa-te auscultar por este sublime psicoterapeuta.
Segue-Lhe as instruções. Revoluciona-te, rompendo com o comodismo, a autoflagelação, a autopiedade, o passado sombrio.
Renasce de dentro de ti.
Se queres o triunfo real, sai a campo e luta. Abre-te ao amor e ama sem esperar resposta.
Não estás sozinho na batalha.
Ao teu lado outros combatentes aguardam apoio, qual ocorre contigo.
Descobre-os e une-te a eles, sabendo, porém que a tua será a revolução com Jesus e não contra o mundo, a humanidade ou a vida.

Fonte: JESUS E ATUALIDADE              
DIVALDO PEREIRA FRANCO/JOANNA DE ÂNGELIS
imagem: espiritismoirradialuz.blogspot.com

Um comentário:

tesco disse...


Os Evangelhos não falam dos que receberam os
benefícios de Jesus e foram ingratos,
mas sabemos que foram muitos.
Tal é a insensatez humana.
Ainda agora Jesus continua nos beneficiando,
há os que não ligam para isso, desprezando
todo o auxílio recebido;
e há os que O divinizam,
mas se 'esquecem' de cumprir suas recomendações.
"Ah, Jerusalém, Jerusalém..."
Beijos.