- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -
PODEM NOS TIRAR AS FLORES, MAS NUNCA A PRIMAVERA.

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


terça-feira, 8 de dezembro de 2015

BEM-AVENTURADOS OS POBRES DE ESPÍRITO

                Jesus define como pobres de espírito aqueles que já ostentam em si a humildade, virtude um tanto difícil de se obter, uma vez que só é conseguida mediante cansativos esforços, na luta ferrenha e determinada contra o orgulho, essa terrível chaga que nos compromete e incontáveis prejuízos tem provocado à humanidade.
                A criatura orgulhosa acredita que o mundo deva curvar-se aos seus pés, julgando-se a mais importante de todas e que nenhum dos seus desejos ou anseios podem deixar de ser atendidos. Sofre amargamente quando vê frustração em suas vontades.
                Carrega um incêndio no coração, pois que estrutura a sua vida num pedestal ilusório de fantasias e ilusões, pensando enganosamente ser muito maior do que realmente é. Não se contenta com pouco, está sempre buscando possuir e ter mais, sempre mais, sendo insaciável em suas necessidades.
                Mantendo uma visão turva e equivocada sobre a realidade do quotidiano, onde se coloca como o centro das atenções, o orgulhoso alimenta valores absurdos que o conduz, com frequência, a deliberações infelizes que são os nascedouros dos seus próprios infortúnios e também do sofrimento dos que estão soba a sua danosa influência. Enganosamente cultiva a certeza de que sabe muito e é superior aos outros.
                Esse sentimento vil e destruidor tem sido o responsável por tantas tragédias humanas, vitimando pessoas, famílias, coletividades e nações, fazendo correr rios de sangue e de lágrimas e edificando montanhas de dor e de sofrimentos, onde milhões de pessoas tem sucumbido.
                Já o homem humilde é detentor de valorosa virtude. Despido do peso desnecessário da arrogância, do preconceito, da vaidade e da presunção, vive desarmado e com a liberdade de quem consegue passar pela vida como o mais fico de todos, pois que administra a sua existência visando sobreviver com um mínimo de necessidades.
                Reconhecendo o seu real valor no contexto da humanidade, vive com simplicidade, embora não medindo esforços e dedicação visando a superação dos seus limites. Contenta-se com o que tem e suas conquistas são feitas de forma a não prejudicar criatura alguma.
                A resignação, a fraternidade, o altruísmo e o firme desejo de fazer sempre o bem são atributos encontrados na intimidade dos humildes, que via de regra são cativantes, pacíficos e amáveis.
                Elege sempre um clima de solidariedade para viver, onde prioriza ações e comportamentos, buscando a valorização do bem-estar da criatura humana.
                Sente imensa satisfação ao identificar a alegria do próximo e trabalha diuturnamente para que o seu irmão do caminho encontre a plenitude de suas realizações e anseios.
                Tendo constantemente a preocupação de servir e amar por onde passa, consegue compreender aqueles que ainda estão seguindo na contra-mão daquilo que é realmente belo, nobre e sublime.
                Confiando plenamente no Criador, carrega a convicção absoluta de que tudo caminha sob os olhares atentos e responsáveis de Jesus e se dedica, ao máximo, visando contribuir com a definitiva implantação do reino de Deus aqui na Terra.
                Enquanto o orgulhoso se fecha, egoisticamente, em si mesmo, na defesa dos seus conceitos absurdos, carregando o peso da armadura, da insensibilidade, o humilde se expande livremente volitando nas asas da alegria em servir ao próximo, de viver com poucas necessidades, de ser um instrumento de paz entre os homens e de ajudar a construir um mundo mais humano, fraterno e solidário.
                Bem aventurados os pobres de espírito, disse Jesus. Bem aventurados os humildes, os simples, os desarmados, os fraternos, os solidários... bem aventurados os que conseguem colocar o sorriso no rosto alheio.

Waldenir Cuin


Fonte: Jornal Espiritismo Estudado – março/2015
imagem: google

Um comentário:

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida Denise
Gosto muito desta Vem Aventurança...

Vim trazer o seu convite pessoalmente:

http://www.idade-espiritual.com.br/2015/12/vi-interacao-fraterna-de-natal-o.html

Bjm fraterno