- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


domingo, 20 de dezembro de 2015

EPOPÉIA DO NATAL

As circunstâncias não poderiam ser piores. A ignorância predominava, triunfante, conclamando as forças da barbaria e do crime que coroavam os arrebatados e aventureiros; a vilania se refugiava nos redutos de aparência respeitável, onde era aceita; a traição e a intriga se disputavam primazia; os ideais de justiça e moral jaziam asfixiados sob o paul da licenciosidade; o povo padecia as mais duras humilhações, entre opróbrios e misérias de toda ordem...... E a guerra decidia a pujança do poder em que mãos deveria demorar.
O homem era examinado pelas pegadas de sangue e lágrima que imprimia na jornada dos sucessos, e as leis subalternas ao carro da impiedade compactuavam com os poderosos que se alçavam à dominação arbitrária. As paisagem políticas ultrajadas pela desídia dos "cabos de guerra", que se sucediam, intempestivos, deixavam marginalizados os fracos e os humildes que nada representavam no cômputo social vigente. Vendê-los, extraditá-los, puni-los
com a morte era direito natural dos governantes, que assim libertavam, de quando em quando, a economia do Estado, da desagradável canga. Em tais circunstâncias nasceu Jesus! Mergulhou na convivência dos homens, tendo como albergue modesta habitação de animais, ante a majestade da noite coroada de gemas estelares, enquanto os favônios varriam, perfumados, os arredores bucólicos da natureza em festa. E se espraiou num oceano de amor entre os esquecidos, desprezados e perseguidos. Consciente da Justiça Divina, inaugurou o período da esperança, disseminando os valores da saúde espiritual com que renovou a Humanidade, tendo os olhos voltados para o futuro. Nunca se queixou nem receou. Carregou o fardo das dores em incomparável silêncio e resignação. Tomou das coisas simples e teceu a túnica da vitória para os que lutassem valorosos e humildes, sem cansaço, até o fim. Atendeu a um príncipe - e o convidou ao Reino, propondo-lhe a humildade. Escutou um jovem rico - e concitou-o à renúncia total a fim de alcançar o Reino. Atendeu a um cobrador de impostos - e estimulou-lhe a generosidade com que lobrigaria chegar ao Reino. No entanto, todos aqueles aos quais concedeu entrevistas, com exceção, uma que outra vez, eram os pecadores, convencionalmente denominados a ralé da sociedade em cujo bojo se guardam infelizes de muitas características... E ninguém igual a Ele! Recordando que estes são dias em que as circunstâncias evocam aquelas já passadas, faze uma pausa na alucinação que campeia avassaladora, facultando que nasça ou renasça no reduto do teu espírito o sêmen sublime do amor, em nome do Amor de todos os Amores que, não obstante ter vindo há quase vinte séculos, se demora ignorado, apesar de ter o nome insculpido no frontespício da História, enunciado frequentemente, porém sem a tônica da Sua lição viva, que ainda não foi legitimamente propagada, nem distribuída mediante os exemplos que clarifiquem a noite sombria que pesa sobre a coletividade hodierna.
Abre, assim, o coração e a mente a Jesus, deixando que neste Natal Ele celebre por teu intermédio a epopeia festiva da paz, no meio em que estás convidado a servir, colocando, desde agora, mas em definitivo, alicerces do amanhã feliz que todos aguardamos, como início da era que Ele anunciou e viveu.

Celeiro de Bênçãos – Divaldo P. Franco/Joanna de Ângelis

 imagem: google

Aos amigos virtuais meus desejos de Feliz Natal e um 2016 repleto de bênçãos. Voltaremos a partir do dia 04/01/2016.

3 comentários:

Mirtes Stolze. disse...

Feliz Natal Denise.
Tudo de Bom.Beijos.

Maria José Rezende de Lacerda disse...

Olá amiga. Feliz Natal e uma Ano Novo cheio de grandes realizações. Bjs.

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida Denise
Gostei do final: não só anunciou, como viveu... perfeito!
Bjm natalino