- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


segunda-feira, 25 de outubro de 2010

DESEJO

O desejo é gerador da vontade e pertence às estruturas mais íntimas do espírito; é através das experiências acumulativas do espírito que ele se enraíza no perispírito gerando os condicionamentos.

A maioria dos desejos conscientes do ser humano obedece aos condicionamentos orgânicos ainda embrionários e perispirituais já consolidados.

O processo evolutivo implica em educar os desejos, já transformados em condicionamentos, a serviço do espírito. Erradicá-los, não só é prejudicial, como, de certa forma, impossível. É nesse sentido que toda repressão gera necessidade de realização futura, visto que, se trata, muitas vezes, de se tentar intervir em condicionamentos perispirituais.

O desejo é a força interna que move a vontade. Esta é o ato voluntário com objetividade para a realização de algo. O animal não possui vontade. Seu instinto é a manifestação do desejo oriundo de sua essência divina.

Por causa do condicionamento, sem o necessário preparo educativo do desejo, o ser humano costuma atendê-lo abruptamente, assim que ele irrompe à consciência. Às vezes, nem à consciência ele precisa vir para que nos movamos para atendê-lo, face ao automatismo perispiritual inconsciente. Por esse motivo, atendemos a desejos dos quais mais tarde nos arrependemos, atribuindo aos estímulos externos sua ocorrência.

A educação do desejo se inicia com a percepção de sua existência, identificação dos fatores que estimulam seu surgimento, experimentação moderada e adequada de sua realização, renúncia a atendê-lo quando lhe perceber o dano que possa causar, mobilização da energia gerada por ele para outro foco, e, por fim, com seu direcionamento para os objetivos de auto-realização.

As obsessões espirituais, ocorrência comum ao ser humano e típica do nível evolutivo em que se encontra, decorrem, muitas vezes, da realização inadequada dos desejos.

As medicações inibidoras da motivação, da ansiedade e da mobilidade, longe de erradicarem os desejos humanos, os ampliam, adiando sua expressão para algum momento em que o espírito se sinta mais corajoso para realizá-los. Toda repressão gera acúmulo que necessita de escape.

No ser humano é importante que seu desejo o guie para a felicidade, sem que amarras psíquicas o prendam ao passado e sem que ele mesmo tente desviar ou boicotar seu destino.

Do Livro : PSICOLOGIA DO ESPÍRITO
Adenáuer Novaes

Um comentário:

Maria José disse...

Denise. Hoje estou passando rapidamente pelo seu blog, que aliás, muito me agradou, já que os temas são de meu interesse para a reforma íntima e desenvolvimento moral e espiritual. Obrigada por sua visita ao Arca. Será sempre muito bem recebida. Abraços e prazer enorme em conhecê-la.