- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


segunda-feira, 10 de setembro de 2012

PORQUE OS ANIMAIS SENTEM DOR I


Há uma questão que deixa vários irmãos e irmãs espíritas intrigados, por mais que sejam estudiosos dedicados da Codificação. É o porquê de animais, particularmente os domésticos que convivem com o homem, passarem às vezes por tanto sofrimento.
Nem os estudiosos espíritas nem os cientistas que estudam os animais viram até hoje qualquer evidência apontando para a existência neles de consciência moral. Os animais superiores, aqueles que estão mais adiantados na senda evolutiva, já possuem uma forma de consciência do ‘eu’, segundo as experiências feitas com algumas espécies de primatas, cetáceos e aves têm demonstrado. Mesmo essa consciência do eu, no entanto, talvez não seja tão complexa quanto a do homem, que possui a chamada “teoria da mente”, que, em poucas palavras, é essa habilidade que temos de reconhecer nos outros a mesma consciência que sabemos existir em nós, permitindo que nos comportemos de modo compatível com aquilo que nossa mente informa sobre a mente alheia. Os estudiosos não dizem que os animais superiores por eles estudados não possuam tal estágio de consciência do eu, mas reconhecem ainda não ter idéia de como fazer tal avaliação.
Um terceiro estágio da evolução da consciência é a consciência moral, a capacidade de julgar se determinada ação é certa ou errada de acordo com as leis de Deus, também entendidas como as leis da natureza. Segundo se depreende da Codificação e de obras subsidiárias, a conquista da consciência moral ocorre quando a alma entra no reino hominal, o que está de acordo com o estágio de conhecimento da ciência, apesar do uso de linguagens diferentes usadas para descrever o fato. Na Bíblia, a conquista da consciência moral é descrita no mito de Adão e Eva, quando o casal primevo come do fruto da árvore da ciência do bem e do mal. Ora, consciência moral é justamente a ciência do bem e do mal. A alegoria bíblica pode ser entendida, portanto, como um relato de como as almas que habitavam o Éden da ingenuidade alcançaram a consciência moral, ingressando no reino hominal e, assim, se sujeitaram à Lei da Causalidade.
Ora, partindo-se da premissa de que os animais não têm consciência moral, isto é, o conhecimento do bem e do mal, é forçoso concluir que eles não são responsáveis pelos seus atos. Sendo assim, eles não estão sujeitos à Lei da Causalidade (Causa e Efeito) e, por conseguinte, um deles não pode estar, ao sofrer, resgatando, por exemplo, a morte que causou em outros animais para se alimentar.
Antes de nos aprofundarmos na questão, gostaríamos de deixar claro uma diferença que passa despercebida por muita gente. Que os animais na natureza sintam dor, no sentido restrito do termo, disso não há a menor dúvida. Dor, em seu sentido restrito, é um efeito físico que serve para alertar o animal de que algo está errado em alguma parte do seu corpo, exigindo dele cuidados especiais com essa parte que é a fonte da dor. A dor incomoda e todo animal faz o possível para se livrar dela. Sofrimento, por sua vez, é um efeito emocional. Por outro lado, quando falamos de dor em um ser humano, sempre associamos à dor a idéia de sofrimento, dando ao termo dor um sentido mais amplo. Na verdade, porém, o único “animal” que conhecemos um pouco melhor é o ser humano e, por isso, temos a tendência de interpretar o comportamento das espécies animais com base naquilo que conhecemos de nós mesmos. Quando sentimos dor, nosso rosto se contrai, nosso corpo se contorce, nossa testa se enruga, os olhos se entristecem. Esses mesmos sintomas sendo por nós percebidos em um animal, imediatamente nos fazem concluir que o mesmo está sofrendo. Mas será que ele sofre do mesmo modo que nós? Saber se um animal sofre ou não é uma questão complexa e que os profissionais que estudam as diversas espécies animais pesquisam com interesse, sem terem, até hoje chegado a qualquer conclusão definitiva.
Mesmo sem estarmos certos quanto ao que sente o animal com a dor, ainda nos resta entender a razão da dor sofrida por um animal. A única resposta que nos vem à mente é aprendizado, a eterna resposta para as dificuldades da vida.

(continua)

Renato Costa

Artigo publicado originalmente em Aurora – Revista de Cultura Espírita, Ano XXVI, N° 102 – 2006

x_3c9af6bf

3 comentários:

Gina disse...

Denise,
Meu cachorrinho tem uma expressão muito profunda. Seus olhos demonstram muita coisa, ficam de forma triangular quando está "triste". Entendemos tão pouco sobre eles, mas aqueles que convivem, sabem dos sentimentos que expressam.
São grandes companheiros!!
Boa semana.

ONG ALERTA disse...

Muito interessante, beijo Lisette.

Ilca Santos disse...

Minha querida Denise,
Como sempre, um ótimo post!
Achei muito interessante, um excelente texto! Parabéns!
Estou sempre aprendendo muito por aqui.
Um beijo, amiga.