- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

ORIGENS DO SOFRIMENTO IV

                Transitam, ainda, na Terra, portadores de expiações que não trazem aparência exterior. São os seres que estertoram em conflitos cruéis, instáveis e insatisfeitos, infelizes e arredios, carregando dramas íntimos que os estiolam, afligindo-os sem cessar. Podem apresentar aparência agradável e conquistar simpatia, sem que se liberem dos estados interiores mortificantes.
                A consciência não perdoa, no que concerne a deixar no olvido o crime perpetrado. O seu perdão se expressa mediante a reabilitação do infrator.
                As origens do sofrimento estão sempre, portanto, naquele que o padece, no recôndito do seu ser, nos painéis profundos da sua consciência.
                Ao lado das origens cármicas do sofrimento, surgem as causas atuais, quando o homem o busca mediante a irresponsabilidade, a precipitação, a prevalência do egoísmo que o incita à escolha do melhor para si em detrimento do seu próximo. Esta atitude se revela em forma de emoções perturbadoras, que o aturdem na área das aspirações e se condensam em formas de aflição.
                As emoções perturbadoras galvanizam o homem contemporâneo, mais do que o de ontem, em razão dos conflitos psicossociais, sócio-econômicos, tecnológicos e outros.
                Os impulsos e lutas que induzem o indivíduo à perda da individualidade, escravizando-o aos padrões da conveniência vigente, são relevantes como desencadeadores de sofrimento.
                Também a perda do senso de humor torna a criatura carrancuda e artificial, gerando emoções perturbadoras.
                A ausência de liberdade pelas constrições de toda ordem igualmente proporciona sofrimento.
                Esses fenômenos psicológicos, no campo do comportamento, propiciam emoções perturbadoras tais como: o desejo, o ofuscamento, o ódio, a frustração.
                Porque não sabe distinguir entre o essencial e o supérfluo, o que convém e aquilo que não é lícito conseguir, o homem extrapola nas aspirações e atormenta-se pelo desejo mal-conduzido, ambicionando além das possibilidades e transferindo-se de uma para outra forma de amargura.

(continua)

Fonte: PLENITUDE         
Divaldo Pereira Franco/Joanna de Ângelis
imagem: google

2 comentários:

PAULO TAMBURRO. disse...

DENISE,

neste planeta de provas e expiações, estamos aqui exatamente para resgatar o passado como passaporte para nossas futuras reencarnações.

Excelente esta sequencia de textos.

Prossiga,Denise!

Um abração carioca e muito obrigado por sua visita, já que sou talvez um dos seus primeiros seguidores.

Muita luz!

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Querida amiga

Os ensinamento espíritas,
para mim são preciosos.
Falam de forma simples,
dos muitos males
que nos afligem.
E de forma igualmente simples,
nos mostram caminhos
e nos apontam a alegria.

Que ainda haja estrelas em seu coração,
é o que deseja minha vida para a tua.