- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sábado, 25 de julho de 2015

DESAFIO À CARIDADE II

                Não são poucos os desafios à caridade.
                O delinquente, pela ação infeliz de que se tornou responsável, inspira animosidade; amá-lo, na condição de um enfermo necessitado de recuperação, é caridade.
                O rebelde provoca reação equivalente de agressividade; auxiliá-lo com paciência até conquistá-lo para o equilíbrio, constitui relevante caridade.
                Aquele com quem te sentes enfadado ou que te provocou antipatia, representa um teste para as tuas realizações espirituais; superar a condição negativa e trazê-lo à província do teu coração, é significativa caridade.
                O ingrato, naturalmente inspira desprezo, senão indiferença; prosseguir ajudando-o, conquanto as dificuldades no relacionamento, representa elevada caridade.
                Quem te ofendeu por qualquer razão, legítima ou injusta – como se razão houvesse para que alguém a outrem ofendesse -, provoca um natural retraimento; insistir na ação cordial com esquecimento do mal, constitui verdadeira caridade.
                Caridade para com todos, mediante uma revolução íntima de superação pessoal.
                Sempre a caridade como diretriz.
                Nunca é demasiado a sua presença; ninguém que a dispense.
                Sem a caridade do Pai Criador para conosco, prosseguiríamos no primitivismo ou rentearíamos ainda com a barbárie.
                A caridade, porém, alimenta a vida e impele para a paz.
                Não olvides que a caridade é o amor que se expande e o amor que retorna em força harmonizadora.
                Coroando todo o ministério de amor com a estrela de primeira grandeza dentre as virtudes, a caridade moral  do Cristo, na cruz, expressou-se no perdão a todas as faltas perpetradas contra Ele, e corporificada no seu retorno paciente ao convívio com os companheiros enfraquecidos, no esplendente amanhecer da As perene ressurreição.


Fonte: ALERTA – Divaldo Pereira Franco/Joanna de Ângelis
imagem: google

Nenhum comentário: