- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


terça-feira, 30 de maio de 2017

O PERDÃO NO ATO DE AJUDAR

                Às vezes somos movidos, compulsivamente, por atos de bondade sem refletirmos sobre o que é verdadeiramente ajudar. Isso acontece porque nossos atos de bondade são motivados por sentimento de culpa, obrigação, pena ou suposta superioridade moral. Pensamos assim: “Eu sou bom”, enquanto Jesus, quando chamado de bom, respondeu:”Bom é vosso Pai que está nos céus”, demonstrando para nós a profundidade da palavra bondade.
                Na parábola do Bom Samaritano, Jesus assim se refere: “E tomado de compaixão”... Essa parábola é a melhor reflexão sobre ajudar. Compadecer é tomar o lugar da pessoa que precisa da nossa ajuda.
                Para tomar o lugar do outro é necessário humildade, ou seja, é importante pensar no outro como seu igual. Se isso não acontecer não será bondade mas, simplesmente, um ato de bondade pois não terá o efeito importante que é a transformação do ajudador e do ajudado em seres melhores do que são.
                Minha ajuda não se efetivará enquanto para eu ajudar o outro significa salvá-lo, visto estar ele perdido ou porque eu estou salvo, imaginando-o como pobre coitado.
                Tudo no universo tem uma função. As grandes dificuldades não significam castigos nem punições, mas caminhos para uma vida melhor. Deus respeita nossos livre arbítrio. É necessário que respeitemos as escolhas dos nossos semelhantes mesmo que nos pareçam bastante estranhas.
                Ser bom é olhar as coisas e as pessoas com os olhos do amor. O ser bondoso possui autoconfiança, altruísmo, ternura e destemor. É sincero e fiel consigo mesmo, bom ouvinte, disposto a ser útil, solidário e jovial. É sociável, gosta de crianças e preserva a natureza porque sabe que faz parte dela.
                Joanna de Ângelis diz o seguinte: “O que te faz mal não é o mal que te fazem, as o mal que você faz aos outros. O que te faz bem não é o bem que os outros te fazem, mas o bem que você faz aos outros”.
                Fazer o bem faz bem, lembremos disso por onde quer que passemos, deixando marcas de luz para que os outros se lembrem de nós pelo carinho e a afetividade que construímos nos corações deles.


Do livro: Terapêutica do Perdão – Aloísio Silva
imagem: google

Um comentário:

Élys disse...

Como sempre, aqui encontro uma bela página.

Um abraço.
Élys.