- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -
PODEM NOS TIRAR AS FLORES, MAS NUNCA A PRIMAVERA.

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sábado, 27 de novembro de 2010

CRUELDADE II

Desenvolvimento da Crueldade
            O enfermo emocional aparenta ser portador de comportamento normal, porém, pequeno incidente pode atear a labareda que o incendeia, irrompendo o desejo de punir quem lhe criou qualquer embaraço real ou imaginário.
            Dissimula e planeja com riqueza de detalhes, a melhor maneira de infligir-lhe sofrimentos, experimentando bem-estar antecipado ante a perspectiva do êxito que o transforma em sadista.
            Essa conduta cruel teve manifestações na infância, quando impôs padecimentos a aves e animais, crianças que maltratou, desenvolvendo uma indiferença por tudo e por todos, que o imunizou à emoção e à piedade.
            Não foge ao convívio social, para poder estar mais próximo das futuras presas que elege, motivado pela inveja, despeito ou simplesmente por alguém que está no momento errado, no lugar equivocado.
            Quanto mais se aplica à crueldade, mais adquire habilidades para oculta-la e torna-la pior, alcançando níveis perversos impensáveis por mente saudáveis.
            O prazer decorrente do crime oculto, estimula-o ao prosseguimento da ação doentia.
            É sagaz e rápido no raciocínio, escamoteando a verdade e comprazendo-se em iludir até tombar nas armadilhas que programa para os demais.
            Não experimenta qualquer arrependimento sendo capaz de ceifar a vida de pessoas que deveriam ser queridas com a mesma indiferença que o faria a um ser abjeto.
            Nem todos são induzidos ao homicídio, maltratando, de outras maneiras, aqueles que se lhes acercam, mediante indiferença, desdenhando os valores morais e sociais que dignificam a humanidade, fazendo-se hábeis na arte de ironizar e mentir, colocando-se acima do bem e do mal, como se fossem inatingíveis.
            Os indivíduos cruéis são sonâmbulos emocionais que torpedeiam quanto podem os objetivos nobres e dignificadores da espécie humana.

Do livro: CONFLITOS EXISTENCIAIS

Divaldo Pereira Franco/Joanna de Angelis

Um comentário:

ⓣⓔⓡⓔⓢⓐ ⓒⓡⓘⓢⓣⓘⓝⓐ disse...

Oiee!!
Tenho este livro de Joanna, no momento ele está viajando pro lado de sampa emprestado e que sirva de esclarecimento tanto quanto serviu pra mim.....ótimo post!
Lindo fds pra ti flor!!
bjs