- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sexta-feira, 23 de março de 2012

A VITÓRIA DA VERDADE


Entre emoções que surgem no ser humano durante o seu processo de crescimento intelectual e racional, o medo assinala-o profundamente desde os primeiros momentos tribais, ou mesmo antes.
            Esse sentimento que surge de maneira irracional desenvolverá outros equivalentes ou piores, como o pavor, o pânico, o terror.
            Logo depois, ao apresentar-se a ira como preservadora da existência física, abre-se o elenco em forma de raiva, de ódio, de ressentimento, de vingança.
            Só mais tarde surgiu o amor em forma de proteção do grupo, de preservação da unidade do clã, que se manifestou em facetas variadas, como a da amizade, da ternura, do devotamento, do afeto profundo, da renúncia, da abnegação.
            É compreensível, portanto, que haja predominância em a natureza humana das emoções primitivas, levando o indivíduo à autopreservação, mediante a imposição do medo aos outros, do ódio que nele se encontra em potencial, até quando o sofrimento demonstrar a sua fragilidade, fazendo-o refugiar-se no seio do amor.
            O amor é a mais bela expressão da verdade que se conhece, porque somente ele é possuidor dos valores que dignificam e enobrecem, que edificam e sustentam as vidas, dando-lhes estabilidade sob todos os aspectos considerada.
            No passado remoto, no próximo como no presente, os líderes do amor deixaram pegadas luminosas que mantiveram os povos e as civilizações confiantes na vitória do bem e conduziram milhões de vidas no rumo da paz, da fraternidade, do desenvolvimento cultural e principalmente moral.
            A doçura da compaixão, a força do perdão, o poder da misericórdia sempre superam as baionetas, os carros de guerra, todos os tipos de armas de destruição, a voracidade dos criminosos, a luxúria dos gozos pelas forças mortíferas da loucura, terminando por instaurar definitivamente o reino do amor na Terra.
            Os poderosos sempre consideraram o amor como fraqueza dos sentimentos, e não existe emoção mais grandiosa do que essa, porquanto é o amor que governa os dominadores e os dominados, e mesmo entre os mais ferozes adversários do ser humano, neles vige a dúlcida voz da ternura, expressando a sua realidade sob as duras camadas da insanidade mental semelhado-se ao diamante estelar aguardando que se lhe retire a ganga que o oculta.
            O amor é a expressão sublime da verdade, porque é o mesmo em todos os tempos e sempre atual em todas as épocas.

Do livro: Entrega-te a Deus     
Divaldo Pereira Franco/Joanna de Ângelis

ImageChef.com - Custom comment codes for MySpace, Hi5, Friendster and more

3 comentários:

Mari disse...

Lindo este texto, querida Denise, não lieste livro, mas parece muito bom.
Tenha um ótima final de semana!
Beijinhos!♥

RUTE disse...

Oi Denise,
desculpe a ausência. Andei tão envolvida com a coletiva Amor aos Pedaços que depois de terminada a 1ªfase, tive de dar um tempo afastada da blogosfera para recuperar.

Gosto muito dos textos que você compartilha. Para mim o amor é a cola da sociedade. Sem ele, tudo se desliga e vive separado em grande individualismo e egoismo.
Beijinhos.
Rute

Milton Kennedy disse...

Boa noite Denise, estou tentando postar o comentário pela 'enézima' vez mas hoje a internet aqui está à lenha, rsrsrsrsrs

Outro texto esclarecedor. Parabéns pela postagem.

Ah, mudou o layout de fundo do blog? Ficou bacana.

Abraços e muita paz interior.