- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -
PODEM NOS TIRAR AS FLORES, MAS NUNCA A PRIMAVERA.

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


domingo, 16 de fevereiro de 2014

BAIXA ESTIMA II

              
                Aprofundando nossas observações podemos considerar que a base de todo complexo de inferioridade inicia-se no materialismo, ou seja, na crença do nada.
                Quando cremos que tudo provém do acaso e que nada existe senão o que os olhos físicos conseguem visualizar, iniciamos em nós o processo de inferioridade. Criamos, a partir daí, um estilo de vida inconsciente, baseado em que não somos nada e, em nossas profundezas, consideramos ser o produto momentâneo do acaso. Rejeitamos a riqueza incomensurável de nosso mundo interior e do universo e não acreditamos na plenitude da Vida Mais Alta, porque desprezamos a Perfeita Ordem Divina. Ignoramos a essência sagrada que habita em nós e lutamos contra uma suposta má sorte, que nos fataliza a desgastar enorme quantidade de energia, por não reconhecermos as Leis Naturais que regulam tudo e todos.
                Voltaire escreveu: O acaso não é, não pode ser, senão a causa ignorada de um efeito desconhecido.
                Quando a pretensão e o orgulho tomam conta de nossos atos, nossa maneira de ser passa a fundamentar-se numa constante supercompensação negativa de nosso sentimento de inferioridade, por acreditarmos que somos, simplesmente, uma combinação fortuita da matéria.
                A criatura materialista precisa crer que é superior, para compensar sua crença na insignificância da existência ou na falta de sentido em que vive. O ser espiritualizado acredita que não é pior nem melhor do que os outros, porque percebe e age com seus sentidos voltados para a eternidade e sabe que cada pessoa é tão boa quanto pode ser, conforme seu grau evolutivo.
                No entanto, o materialista prossegue e sua jornada, crescendo e descobrindo que o caminho da felicidade é uma trilha que o leva para dentro de si mesmo e o conduz até a Fonte Verdadeira, libertando-o da prisão dos sentidos para a plenitude existencial.
                A providência primeira e essencial, para que possamos nos curar do sentimento de baixa estima ou inferioridade, é a convicção na imortalidade das almas e na pluralidade das existências, somada à crença de que somos seres espirituais criados plenos e completos, vivendo uma experiência humana com o objetivo de nos conscientizarmos dessa nossa plenitude inata. As providências seguintes a serem tomadas deverão ser reflexões sobre as causas de nossos sentimentos de inferioridade, o modo como foram adquiridos e as crenças que os motivaram.
                É essencial lembrar-nos de que sempre é possível alterar ou transformar nosso estilo de vida. Para tanto, não duvidemos de nossas aptidões e vocações naturais, nem questionemos, sistematicamente, nossas forças interiores, para obtermos autoconfiança, somente é preciso reivindicarmos, valorosamente, o que já existe em nós por direito divino.


Do livro: As Dores da Alma – Francisco do Espírito Santo Neto/Hammed
imagem: docaminhodaluz.blogspot.com

2 comentários:

Orvalho do Céu disse...

Olá,querida Denise
Deus nos reveste de dons e talentos para que nos ocupemos bem os dias aqui na Terra para não cairmos na inutilidade e na descrença... na baixa estima...
Ele nos ama e tudo o mais é acréscimo...
Bjm fraterno

tesco disse...

O espiritualismo mal orientado leva a comportamentos paradoxais, com exclusivismos irracionais.
O materialismo, no entanto, pode gerar atitudes extremistas, tipo 'tudo ou nada', que são altamente danosas ao ser humano.
Beijos.