- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


segunda-feira, 17 de novembro de 2014

ALMAS-PROBLEMA I

                A pessoa-problema que renteia contigo, no processo evolutivo, não te é desconhecida.
                O filhinho-dificuldade que te exige doação integral, não se encontra ao teu lado por primeira vez.
                O ancião-renitente que te parece um pesadelo contínuo, exaurindo-te as forças, não é encontro fortuito na tua marcha.
                O familiar de qualquer vinculação que te constitui provação, não é resultado do acaso que te leva a desfrutar da convivência dolorosa.
                Todos eles provem do teu passado espiritual.
                Eles caíram, sim, e ainda se ressentem do tombo moral, estando, hoje, a resgatar injunção penosa. Mas, tu também.
                Quando alguém cai, sempre há fatores preponderantes e outros predisponentes, que induzem e levam ao abismo.
                Normalmente, oculto, o causador do infortúnio permanece desconhecido do mundo. Não, porém, da consciência, nem das Soberanas Leis.
                Renascem em circunstâncias e tempos diferentes, todavia, volvem a encontrar-se, seja na consanguinidade, através da parentela corporal, ou mediante a espiritual, na grande família humana, tornando o caminho das reparações e compensações indispensáveis.         


Fonte: ALERTA – Divaldo Pereira Franco/Joanna de Ângelis
imagem: google

3 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Pois amiga Denise, no mais comum das vezes, ouve-se a voz da desinformação; pessoas lamentando-se: Ah, queria que meu filho fosse diferente, que meu cônjuge fosse outra pessoa, que meu irmão fosse diferente...
Um abraço. Tenhas uma semana de bençãos.

Ghost e Bindi disse...

Mesmo que o pesar da reparação nos doa na alma, saibamos que uma força é real em todo universo...o amor, aprender a amar nos faz efeito duma causa maior e divina. Linda mensagem!

Ghost e Bindi

tesco disse...


Quase completando o que escreveu o Dilmar,
rotineiramente não vemos que o problema
não são os outros, nós é que temos a
obrigação de melhorarmos-nos.
"Ah, queria que os outros fossem diferentes!"
E nós? O que queríamos que fossemos, se
não nos esforçamos para sê-lo?
Beijos.