- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -
PODEM NOS TIRAR AS FLORES, MAS NUNCA A PRIMAVERA.

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sábado, 19 de fevereiro de 2011

ARQUÉTIPO

            Buscando estabelecer uma base para o funcionamento da psique e estabelecendo uma estrutura que justificasse a gama dos fenômenos humanos, Jung intuiu o conceito de arquétipo. Ele penetrou na essência da criação do espírito, no que diz respeito ao seu contato primitivo com o mundo.
            O arquétipo é um conceito que representa uma estrutura psíquica pertencente à mente. Por ele passa o impulso criador oriundo do espírito. É uma palavra que define uma tendência a alguma ação e que está presente no psiquismo de todo ser humano. É um conceito que afirma a existência, no psiquismo individual, de tendências a agir coletivamente. Eles são as matrizes coletivas sobre as quais erigimos nossa individualidade. Originaram-se a partir das experiências repetidas que, embora automatizadas no corpo físico, geraram matrizes psíquicas. Não são tendências instintivas, visto que não pertencem ao corpo, mas ao perispírito. Os instintos não são perispirituais, mas orgânicos. Eles se enraízam no corpo vital e são a inteligência do organismo. Os arquétipos estão para o perispírito da mesma forma que os instintos estão para o corpo físico.
            Os arquétimos são formas virtuais e configurações da psique automática. Eles não são passíveis de percepção direta, mas sim através de representações e de imagens.
            São na verdade vetores das tendências da vontade, a qual se submete ao direcionamento deles. Sua estruturação se inicia no contato do espírito com a matéria através do perispírito. Portanto o arquétipo é uma estrutura funcional do perispírito e nele se enraíza. Não é um órgão fisiológico, mas um princípio de concepção e formação do pensamento e das emoções, sentimentos, ações.
            O arquétipo não é uma estrutura concebida a priori ao espírito. Ele se forma na sua ligação com o mundo. Fazendo uma comparação, pode-se dizer que o arquétipo primordial do ser é sua tendência ao encontro com Deus. Esse seria o primeiro arquétipo e, talvez o único.
            O arquétipo é uma espécie de funil por onde a vontade, o desejo, a motivação e o impulso criador atravessam, em busca de realização. Configura-se como um arranjo espacial da psique.
            O inconsciente coletivo ou a psique objetiva é o nome dado por Jung para os conteúdos da estrutura psíquica, a qual consta em todo ser humano e que se constitui de arquétipos.
            Os arquétipos são sistemas de prontidão que são ao mesmo tempo imagens e emoções. São hereditários como a estrutura do cérebro. Na verdade é o aspecto psíquico do cérebro. Constituem, por um lado, um preconceito instintivo muito forte e, por outro lado, são os mais eficientes auxiliares das adaptações instintivas. Propriamente falando, são a parte ctônica da psique, aquela parte através da qual a psique está vinculada a natureza, ou pelo menos em que seus vínculos com a terra e o mundo aparecem claramente. Os arquétipos são formas típicas de comportamento que, ao se tornarem conscientes, assumem o aspecto de representações, como tudo o que se torna conteúdo da consciência. Os arquétipos são anteriores à consciência e são eles que formam os dominantes estruturais da psique em geral, assemelhado-se ao sistema axial dos cristais que existe em potência na água-mãe, MS não é diretamente perceptível pela observação. Do ponto de vista empírico, o arquétipo jamais se forma no interior da vida orgânica em geral. Ele aparece ao mesmo tempo que a vida. Arquétipo significa um “typos” (impressão), um agrupamento definido de caracteres arcaicos, que, em forma e significado, encerra motivos mitológicos, os quais surgem em forma pura nos contos de fadas, nos mitos, nas lendas e no folclore.
            É algo virtual, além da estrutura do corpo físico e que permeia os comportamentos coletivos do ser humano. Algo que o leva além de sua própria individualidade e que não o diferencia dos demais seres humanos. Que não se encontra nem no espírito nem no corpo, mas na estrutura intermediária que liga um ao outro.

PSICOLOGIA DO ESPÍRITO

Adenáuer Novaes

3 comentários:

Alma Aprendiz disse...

Ola´amiga querida!
Estou com um probleminha de visão e como vc postou em letras claras não consegui ler.
Mas deixo meu registro e meu abraço p/ti.
Beijosssssssssss

Marlene disse...

Bom dia Denise que ótima post,,para nossa meditação obrigada por esta aula de domingo,,
conhecimento é sempre muito bem vindo,,
adoro visitar seu blog,,um ótimo domingo uma linda semana,bjs com carinho
marlene

" ESSÊNCIA ESTELAR MAYA " disse...

Denise querida,

Excelente postagem.
obrigada por este Aprendizado.

Um grande beijo em seu coração!!!