- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sexta-feira, 8 de julho de 2011

O CRIVO DA RAZÃO II



                Os espíritos superiores só se manifestam nos casos em que sua presença é útil e pode facilitar o nosso melhoramento. Fogem das reuniões bulhentas e só se dirigem a homens animados de intenções puras. Pouco lhes convêm as nossas reuniões obscuras. Desde que podem, voltam para os meios menos carregados de fluidos grosseiros, mas, apesar da distância, não cessam de velar pelos seus protegidos.
                Os espíritos inferiores, incapazes de aspirações elevadas, comprazem-se em nossa atmosfera. Mesclam-se em nossa vida e, unicamente com o que cativava em seu pensamento durante a existência corpórea, participam dos prazeres e trabalhos daqueles a quem se sentem unidos por analogias de caráter ou de hábitos. Algumas vezes mesmo, dominam e subjugam as pessoas fracas que não sabem resistir às suas influências. Em certos casos, seu império torna-se tal que podem impelir suas vítimas ao crime e à loucura. É nesses casos de obsessão e possessão, mais comum do que se pensa, que encontramos a explicação de numerosos fatos relatados pela história.
                Há perigo para quem se entrega sem reservas às experimentações espíritas. O homem de coração reto, de razão esclarecida e madura, pode daí recolher consolações inefáveis e preciosos ensinos. Mas aquele que só fosse inspirado pelo interesse material ou que só visse nesses fatos um divertimento frívolo tornar-se-ia fatalmente o objeto de uma infinidade de mistificações, joguete de espíritos pérfidos que, lisonjeando suas inclinações, seduzindo-o por brilhantes promessas,captariam sua confiança, para, depois, acabrunhá-lo com decepções e zombarias.

Do livro: Depois da Morte – León Denis – cap. XXV- perigos do espiritismo
ImageChef Word Mosaic - ImageChef.com

Um comentário:

Marluce, em palavras disse...

Denise,


O conhecimento do que nos fortalece, edifica alma!


Um lindo texto!


Um abraço, Marluce