- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -
PODEM NOS TIRAR AS FLORES, MAS NUNCA A PRIMAVERA.

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sábado, 31 de agosto de 2013

"EU VENCI O MUNDO"

       
                Vencer o mundo é bem diferente de vencer no mundo.
                Sendo filhos de Deus fomos criados, na simplicidade e na ignorância, tendo como objetivo e meta chegarmos à perfeição, isso obviamente, fazendo uso do livre arbítrio e do esforço próprio, contado sempre com os mecanismos de apoio e segurança oferecidos pelo Pai Celestial.
                No âmbito do código divino não existem privilégios a ninguém, assim, cada criatura humana colherá o fruto decorrente da semente plantada, recebendo o reflexo de cada ação que praticar.
                Diante disso não podemos ignorar a importância que precisamos dar as prioridades que elegemos para a nossa vida, pois que tendo a perfeição como meta a ser alcançada, todo o roteiro da existência terrena deverá manter em mira esse objetivo, uma vez que a paz que sonhamos e a felicidade que buscamos, nascerão do equilíbrio das nossas atitudes.
                Portanto, nossas conquistas e vitórias neste mundo serão relevantes à medida que nos assegurem prosperidade espiritual.
                Quando Jesus afirmou que venceu o mundo estava informando à humanidade, que a verdadeira batalha a ser ganha é aquela que travamos, diariamente, contra as paixões inferiores e os arrastamentos de baixo nível, que ainda insistem em nos fazer infelizes.
                Muitos vencem no mundo, obtendo poder, glória, fortuna, destaque, fama, prestígio e tanto mais e perdem moralmente, pois que fazem uso dos mais sórdidos métodos para alcançarem os postos que carregam em mira. Não raras vezes triunfam sobre a dor e o sofrimento do próximo, abrindo as portas para o retorno, contra si mesmos, das conseqüências que decorrem dos atos nefastos que difundiram. No âmbito da irresponsabilidade, alimentam o mal que, indubitavelmente, no futuro, atingirá seus corações.
                Ganham no mundo físico, mas fracassam espetacularmente nas esferas espirituais. Ostentam troféus e estandartes terrenos para depois aflitivamente gemerem nas paragens do espírito.
                Atualmente, ante tantas informações e esclarecimentos, não se pode mais negar que somos espíritos eternos, e, que a presente existência terrena é apenas uma pequena etapa da nossa longa jornada evolutiva. No entanto, infelizmente, ainda vemos criaturas fazendo uso de seus dias como se fossem os últimos da sua vida total, se esforçando para extrair deles todo tipo de prazer e de satisfação possíveis, mesmo que para isso tenham que ferir os mais comezinhos princípios da dignidade, nobreza e honradez.
                Obviamente, é um ledo e terrível engano acreditar que alguns fugidios momentos de suposta felicidade aqui na terra, conseguidos a qualquer custo poderão contribuir para que cheguemos à perfeição espiritual, a que estamos destinados pelas sábias e justas leis de Deus.
                Não tenhamos qualquer dúvida; a nossa verdadeira e definitiva felicidade nascerá da felicidade que plantarmos nos corações alheios. Foi por isso que Jesus ensinou: “amai-vos uns aos outros” (João 13:34)
                Sem ilusões, não acreditemos que todas as vitórias obtidas no mundo físico nos assegurem uma boa posição no mundo espiritual, mas sim somente aquelas que tiveram como proposta a nossa melhoria interior. Aquelas que nos ajudaram no combate ao orgulho e AL egoísmo, que tantos males e prejuízos tem nos causado.
                Os tempos são chegados, sim são chegados para que tenhamos a mais absoluta convicção de que os valores a serem conquistados, são aqueles que sustentam a nossa evolução como espíritos eternos que somos, mesmo que para isso, aparentemente, tenhamos que perder aqui no mundo.
                Assim, nos preocupemos, a exemplo de Jesus, em vencer o mundo e não a qualquer custo, vencer no mundo.               
                Reflitamos.


Waldenir Cuin
Fonte: Jornal Espiritismo Estudado – Nov/2012

x_3c9af347

Nenhum comentário: