- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


quarta-feira, 21 de agosto de 2013

MEDO III

        
                Muitas criaturas tem medo de si mesmas. Desvendar, gradativamente, nossa geografia interna, nosso próprio padrão de carências e medos, proporciona-nos uma base sólida de autoconfiança.
                O ato de arrependimento nada mais é do que perceber nosso lado inadequado. É admitir para nós mesmos que identificamos nosso comportamento inconveniente e que precisamos mudar nossas atitudes diante das pessoas e do mundo. Arrependimento pode ser visto como a nossa tomada de consciência de certos elementos que negávamos consciente ou inconscientemente, projetando-os para fora ou reprimindo-os em nossa sombra.
                Arrependimento quer dizer pesar, ou mudança de opinião por alguma falta cometida, vocábulo de uso habitual nas lides religiosas. Tomar consciência é uma expressão moderna que significa discernimento da vida exterior e interior, acrescida da capacidade de julgar moralmente os atos. A nosso ver, ambos os termos nos levam à mesma causa.
                O ato de arrependimento é um antídoto contra o medo. Quem se arrependeu é porque examinou suas profundezas e descobriu que seus desejos e tendências nada mais são que impulsos comuns a todos os seres humanos. Quem se arrependeu é porque aprendeu que é simplesmente humano, falível e nem melhor nem pior do que os outros.
                Arrepender-se é o primeiro passo para melhorarmos e progredirmos espiritualmente.
                O espírito São Luís é taxativo quando diz que todos os espíritos se arrependerão um dia: “Há-os de arrependimento muito tardio; porém, pretender-se que nunca se melhorarão fora negar a lei do progresso e dizer que a criança não pode tornar-se homem”.


Do livro: As Dores da Alma – Francisco do Espírito Santo Neto/Hammed


x_3c9af347

Um comentário:

tesco disse...

Sem dúvida, o medo maior e de si mesmo, das potencialidades que temos, do Deus interno que não cessa de nos corrigir.
Assumir o que somos e o que teremos de enfrentar, é uma responsabilidade que gera medo, na maioria das pessoas, é muito mais confortável acreditar que um ser mais elevado nos conduz.
Os arrependimentos são uma etapa incontornável da evolução, no estágio de nossa imperfeição, não há como caminhar e não se arrepender. Por sorte meus arrependimentos são muitos mas são pequenos. Porém, a meta do "arrependimento zero" ainda está muito longe.
Beijos.