- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


terça-feira, 24 de novembro de 2015

CASAMENTO E CULTURA DO DIÁLOGO II

Deficiências na tentativa de diálogo:
      1-      Transformamos a conversa em monólogo.
Uma boa conversa segue a sabedoria do corpo: dois ouvidos, uma boca e uma cabeça, tendo uma base – o coração. Simbolicamente, devemos ouvir mais do que falar; sempre usar a cabeça, ou seja, a reflexão, a ponderação, o ajuizamento; fazer isso a partir do coração, consagrando, assim, a integração de tudo o que falamos em bases amorosas.
2-      Só tentamos dizer as coisas que sentimos na hora das brigas.
Devemos exercitar o entendimento em cima da crise; todavia, será de boa lembrança reservar tempo à conversação nos momentos de armistício, para tratarmos dos assuntos conflituosos que suscitam as arengas. Falar o que se deve de cabeça quente e conseguindo paz é muito difícil, mas dissolver o nó do desentendimento com a cabeça fria é mais factível e prudente, por ser mais sábio.
3-      Atacamos, transformando a fala em instrumento de esgrima.
A partir das idéias que cada um apresenta pela conversação, o casal constrói um entendimento novo, superando os velhos argumentos que lhe serviram de ponto de partida.
Quando alguém vence no diálogo, o casal perde, porque o diálogo não deve ser uma disputa; antes, a busca de novas possibilidades de encontro.
4-      Achamos que sempre detemos a verdade.
O parceiro que se encastela na sua verdade como a única, em detrimento da do outro, esquece que, no diálogo, a verdade é sempre algo a ser descoberto, elaborado a dois, com base nas antigas verdades de cada um. O ponto de vista é a janela pela qual cada um enxerga o mundo, constituindo a sua verdade naquele momento.
Sempre, entre duas pessoas, há pelo menos quatro verdades: a de cada uma delas, a construída pelo casal e a Verdade. As três primeiras são verdades relativas; só a última é absoluta.
5-      Reprimimos inoportunamente nosso verbo, ante a fala do outro, em falsa atitude de resignação e obediência.
Segundo Kardec, a obediência e a resignação são duas virtudes que operam em nível de razão e sentimento, respectivamente, não sendo, portanto, nocivas à comunicação do casal; antes, são necessárias à construção do diálogo, calculando-se a dose certa de silêncio e fala, a benefício da dupla em interação.
Quando sempre represamos a nossa expressão vocal, apenas adiamos sua inevitável manifestação, que surge, muitas vezes, na hora errada, no lugar inapropriado e num tom indesejável.
6-      Em vez de falar, gritamos, como se o outro sofresse de surdez sensorial.
O grito é uma das formas de defesa imatura de alguém que não sustenta o enfrentamento saudável de idéias, raciocínios e argumentos diferentes; gritar é uma das formas de silenciar o outro, ou de impor suas razões pela força... no grito.
7-      Vomitamos o que represamos, indebitamente, ao longo de meses ou anos.
É melhor esvaziar costumeiramente as demandas internas, evitando o acúmulo sempre perigoso de transbordar em ocasião inadequada e com atitude desproporcional. O hábito de conversar sempre, cotidianamente, evita explosões desnecessárias e nocivas.
8-      Saímos do recinto como crianças desapontadas, quando deveríamos apresentar nosso arrazoado.
Acostumamo-nos a ter nossos caprichos satisfeitos, quando crianças, e daí reagimos emocionalmente de maneira imatura diante de alguém que contrarie e recuse nossas opiniões pessoais.          
9-      Sempre queremos ter razão, e para isso às vezes manipulamos as palavras, a fim de vencermos o outro no debate transformado em competição.
Sofismar representa fragilidade moral com que se pretende compensar a nossa falta de argumentos. Um pouco de humildade faz reconhecer que a opinião ou ação do outro é mais justa, devendo ser mais bem considerada para a felicidade do casal.
10-   Não terminamos um ciclo de debates, ou seja, não conseguimos ir até o fim de uma conversação. Sempre fugimos.
É comum interrompermos a discussão de um assunto por motivos variados, deixando, “ad aeternum”, aquilo que está em pauta, pela metade, aos pedaços, retardando ou evitando encontros genuínos.
Um diálogo fecundo tem começo, meio e fim, ainda eu não se conclua definitivamente o assunto, mas amplia-se a análise com o aprofundamento da compreensão. Mais tarde, cada parceiro pode refletir “de per si” sobre os conteúdos produzidos. E assim, quando ambos retomam o tema, já amadureceram em relação ao assunto discutido.
                Por todo o mencionado, e saudável para a vida comum a cultura do adestramento na arte do diálogo a dois, favorecendo a troca de experiência no cotidiano. E auxiliando, também, no equacionamento de questões espinhosas que surjam exigindo destreza conjugal, de tal modo que não precisemos chamar uma ou duas testemunhas, tampouco a “igreja”, o grupo.

Fonte: CASAMENTO: A ARTE DO REENCONTRO – ALBERTO ALMEIDA 
imagem: google

Um comentário:

Dilmar Gomes disse...

Pois é amiga Denise, o casamento prospera quando os envolvidos agem com sabedoria, nem sei porque estou dizendo isso, talvez para dar testemunho comprobatório sobre a exposição de motivos do post, o qual ilustra o tema com riqueza de verdades
Quando o assunto é casamento, lembro-me de um amigo do tempo da juventude, que dizia que não casaria porque casamento significava castração, anulação do indivíduo para o surgimento do par...
Naquel tempo , eu até comungava um pouco com a ideia, e esperei um tempo solteiro, casando-me após os trinta anos. Hoje, casado há de trinta anos, convivendo esse tempo com a mesma pessoa, aprendi coisas, as quais não aprendeira sozinho, e acho que ao contrário da tese da anulação, no casamento há a parceria, há a soma de fatores positivos, há o enriquecimento geral das ideias, além da contribuição para a melhoria espiritual.
Peço excusas por ter-me extendido. Um abraço daqui do sul do Brasil. Que os espíritos amigos proporcionem-te paz e bençãos.