- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sábado, 4 de agosto de 2012

O QUE O ADOLESCENTE ESPERA DA SOCIEDADE E O QUE A SOCIEDADE ESPERA DO ADOLESCENTE III

Seria tediosa, a vida social, e retrógrada, se fosse continuada sem as
inevitáveis mudanças impostas pelo progresso e trabalhadas pelas gerações
novas, às vezes inspiradas pelo pensamento filosófico ou científico, pelo
idealismo da beleza e da arte, da religião e da tecnologia, que encontram nos
jovens a sua força motriz.
Todos os grandes empreendimentos e movimentos da História, surgidos
nas almas luminosas dos eminentes missionários, repercutiram na juventude e
obtiveram a resposta em forma de desafio para a sua implantação, do que
decorreram as admiráveis transformações sociais e humanas que se
impuseram na sucessão dos tempos.
É inevitável, portanto, que o conflito de gerações, que é resultado da
imposição caprichosa de parte a parte, seja resolvido pelo intercâmbio de
idéias e compreensão de necessidades reais do grupo social e do adolescente,
estabelecendo-se pontes de entendimento e cooperação, para que os dois
extremos se acerquem do objetivo, que é o auxílio recíproco.
A sociedade, na condição de bloco de identificação de valores, espera
que o adolescente venha partilhar das suas definições sem as testar, sem
experimentar a sua fragilidade e resistências, o que seria uma acomodação,
senão também uma forma de submissão passiva, inviável para o ser em
formação. A própria identidade do adolescente, que está buscando rumos,
reage contra tudo que se encontra feito, terminado, e não passou pelo seu
crivo, não experimentou a sua participação.
O adulto de hoje esquece-se do seu superado período de adolescência — se é que já ocorreu — quando também anelou muito e não conseguiu tudo
quanto gostaria de realizar, foi aguardado e não correspondeu à expectativa
dos seus ancestrais.
Não obstante, isto não implica em aceitar toda imposição descabida ou
qualquer indiferença mórbida pelo processo social.
Somente uma aproximação natural do adolescente, com o grupo social
em tranqüila integração, resolve o questionamento que não se justifica, lima as
arestas das dificuldades existentes, trabalha as diferenças de comportamento
e, juntos, avançam em favor de um futuro melhor, onde todos estarão
presentes construindo o bem.

ADOLESCÊNCIA E VIDA       
DIVALDO PEREIRA FRANCO/JOANNA DI ÂNGELIS

x_3c9af6bf

Nenhum comentário: