- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -
PODEM NOS TIRAR AS FLORES, MAS NUNCA A PRIMAVERA.

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


terça-feira, 19 de março de 2013

DROGAS, MELHOR NEM EXPERIMENTAR


                O álcool é o problema número um de drogas entre jovens e é a porta de entrada para outras drogas como a cocaína e o crack. Porém, ninguém se torna alcoólatra de um dia para outro, mas inicia experimentando. O vício vai se imponde aos poucos, como uma necessidade que deve ser regularmente satisfeita, até que a pessoa se torne completamente dependente. Segundo os especialistas, alguém que não consegue passar uma semana sem tomar bebida alcoólica é considerado alcoólatra.
                Entre os efeitos do uso do álcool estão os desajustes no lar, desemprego, acidentes de trânsito, perda da memória, lesões cerebrais, doenças cardíacas, câncer, problemas no fígado, pâncreas, alienação mental, impotência sexual.
                O álcool também atinge o corpo espiritual, liberando toxinas que impregnam o perispírito e fazem com que a dependência prossiga depois do desencarne. O perispírito imprime as conseqüências dessas lesões nas futuras organizações fisiológicas que terão predisposição ao alcoolismo.
                O dependente de álcool e de outras drogas se transforma em instrumento dos espíritos inferiores e ou viciados que saciam seus desejos através do encarnado, e incentivam que ele continue a se drogar, para que o desencarnado possa continuar usufruindo dos fluidos também. Essa influência se dá pela sintonia e, muitas vezes, acontece porque o desencarnado quer se vingar do encarnado, e as drogas são um poderoso meio de comprometimento/destruição de uma encarnação.
                Quem se droga comete suicídio indireto, devido ao mau uso que faz do seu corpo físico. E responderá, depois de desencarnado, pelo seu uso durante a existência corpórea. Quem desencarna viciado, continua necessitado no mundo espiritual, obsediando encarnados para sustentar o vício. Isso ocorre até que o espírito se dê conta das suas atitudes equivocadas, arrependa-se e decida resgatar seus erros através de uma nova e difícil encarnação no corpo físico.
O combate ao uso do álcool e de outras drogas deve iniciar em casa, com diálogo, esclarecimento acerca dos malefícios e, principalmente pelo exemplo que os pais e responsáveis oferecem às crianças e jovens. É preciso atentar para o que se diz, pois é uma mensagem contraditória proibir um filho de beber, se o pai ou a mãe bebem socialmente, apenas para relaxar ou oferecem bebidas alcoólicas às visitas.
                Nas conversas com crianças e jovens a respeito de drogas, talvez o mais importante seja fazê-lo perceber que a melhor atitude é não experimentá-las, pois é importante manter-se longe de experiências que podem ter conseqüências desastrosas. E diante da insistência para que experimentem ou usem substâncias que levam à dependência química e psíquica, auxiliá-los, com informações que ofereçam a certeza de que as drogas fazem mal ao corpo e ao espírito.
                A Doutrina Espírita contribui para que os jovens encontrem um sentido existencial, longe das drogas, esclarecendo o que somos, de onde viemos, porque aqui nos encontramos, porque sofremos e para onde vamos. Na Casa Espírita, o passe auxilia no reequilíbrio das emoções, na desintoxicação, na restauração do perispírito; a água magnetizada contribui para saúde integral; a desobsessão promove a interrupção entre o intercâmbio mental entre obsediado e obsessores; a oração auxilia a haurir forças, inspiração e confiança em si mesmo e em Deus; e os ensinamentos da Doutrina Espírita renovam as possibilidades de crescimento íntimo e novo ânimo.


x_3c9af347

Nenhum comentário: