- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -
PODEM NOS TIRAR AS FLORES, MAS NUNCA A PRIMAVERA.

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sábado, 2 de novembro de 2013

ESCRAVO DO HÁBITO I

            
               Nossas ações repetidas, por mais simples que sejam e pela freqüência tornam-se quem somos. Geralmente, diante de atitudes comprometedoras, vícios químicos, físicos e comportamentais, agimos dizendo que podemos parar quando quisermos ou que temos o controle deles.
                Entretanto, estes comportamentos passam a ser nossa realidade e pior, muitas vezes não percebemos devido à naturalidade em que se apresentam.
                Ao apontar que o mérito não estaria na ação, Aristóteles chama atenção para o fato de que atitudes boas e elevadas, feitas ocasionalmente, não são suficientes para moldar nossa personalidade. Afinal, muitas pessoas com vida visivelmente comprometida com inúmeras viciações ou comportamento com sérios equívocos morais, em algum momento também fizeram algo de bom ou positivo.
                Em boa definição, agir adequadamente às vezes, não é suficiente para alterar aquilo que fazemos constantemente.
                Fica evidente o perigo das ações contínuas e baseadas nos equívocos pois vamos agindo sem a percepção do que está se construindo em nós.
                Quando percebemos que trata-se de um hábito, ou melhor um vício, já está forte demais para rompermos este comportamento.
                Reclamar, lamentar da vida ou das situações que a compõe são tidas como naturais, entretanto, é fundamental sabermos que ao agir assim, vamos cunhando em nós esta realidade. Romper o vício de reclamar sempre não pode ser feito de uma hora para outra, é como um programa de computador que deve ser desinstalado ou permanecerá lá.
                Conclusão, primeiro fazemos nossos hábitos e depois nossos hábitos nos fazem.

(continua)


Do livro: Terapia Antiqueixa – Roosevelt Andolphato Tiago


x_3c9af347

Nenhum comentário: