- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sábado, 1 de março de 2014

BAIXA ESTIMA I

              
               O sentimento de autopiedade pode nos tornar doentes fisicamente. Uma espécie de invalidez psíquica envolve-nos a existência e, a partir daí, sentimo-nos inferiores e incapazes, levados a uma perda total da confiança em nós mesmos.
                A piedade aqui referenciada é o sofrimento moral de pesar ou a aflição que sentimos por autopunição. Ter pena ou dó, em muitas circunstâncias, pode não ser um sentimento verdadeiro, mas sim uma obrigação social aprendida, a ser demonstrada diante do infortúnio alheio.
                No entanto, a sensação que experimentamos de amor, permeada de respeito e afeição pelos outros, revela-nos os reais sentimentos denominados de belevolência e de compaixão.
                A baixa estima ou autopiedade pode-nos levar a ser vítimas de nós mesmos, pois estaremos somatizando essas emoções negativas em forma de doenças. Os sintomas da enfermidade podem ser considerados a forma física de expressar uma atitude interna, ou mesmo um conflito. Portanto, doentes não são somente as vítimas inocentes de algum desarranjo da natureza, mas também os facilitadores de sua própria moléstia.
                Os acontecimentos em si mesmos nunca tem muito sentido; precisamos aprender a discernir o que há por trás do aspecto físico, ou seja, atingir o conteúdo metafísico das coisas. A importância e a mensagem de um fato ou de um acontecimento somente aparecem clarificados, quando interpretados em sua significação; é isso que nos permite a compreensão completa de seu sentido.
                Quando deixamos de interpretar as ocorrências da vida e o seguimento natural que implicará seu destino, nossa existência mergulhará numa total falta de sentido.


Do livro: As Dores da Alma – Francisco do Espírito Santo Neto/Hammed
imagem: cafecomamigas.com

2 comentários:

tesco disse...

Lembrei de um comercial da Gillette nos anos 70: "Ah, que barba horrível que estou fazendo!". O caso era resolvido com a troca de lâminas, mas, provavelmente, a repetição do 'mantra' negativo só poderia levar a maus resultados.
Assim também a baixa-estima, a nada de bom pode conduzir.
Beijos.

Mari Rehermann disse...

Tenho este livro, já li, mas vou relê-lo!! Tem muitos ensinamentos maravilhosos neste livro, questões que nos fazem refletir em quanto precisamos realizar o nosso autoconhecimento...é uma leitura muito importante para quem busca o seu aprimoramento espiritual.

Beijos!!