- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sexta-feira, 7 de março de 2014

BAIXA ESTIMA III

          
                O sentimento de inferioridade ou de baixa estima associa as criaturas a uma resignação exagerada, a um autodesleixo ou descuido das coisas pessoais. A perda do senso de autovalorização é também conseqüência do sentimento de inferioridade, que remete os indivíduos à vivência entre hábitos cronometrados e a uma mecanização dos costumes.
                O maior sentido de nossa encarnação é a conscientização da riqueza de nosso mundo interior. Somos essências divinas em busca da perfeição, cujo caminho é o autodescobrimento.
                Aqui estão algumas afirmações que, se observadas com atenção, poderão nos ajudar a reconquistar a autoconfiança perdida:
                - somos potencialmente capazes de tomar decisões sem ter que recorrer a intermináveis conselhos;
                - possuímos uma individualidade divina completamente distinta da dos outros;
                - fazemos as coisas porque gostamos, não para agradar as pessoas;
                - encontraremos sempre novos relacionamentos; por isso, não temos medo de ser abandonados;
                - usaremos, constantemente, de nosso bom senso; portanto, as críticas e as desaprovações não nos atingirão com facilidade;
                - tomaremos nossas próprias decisões, respeitando, porém, as dos outros;
                - confiaremos na Luz Maior que há em nós; ela sempre nos guiará pelos melhores caminhos.
                Depende exclusivamente de nossa vontade vencer os obstáculos da baixa estima, que nos impedem de alcançar a plenitude das realizações pessoais.


Do livro: As Dores da Alma – Francisco do Espírito Santo Neto/Hammed
imagem: haciaunavejezdigna.blogspot.com

2 comentários:

tesco disse...

O roteiro não é tão difícil de ser seguido, apenas, para muita gente, falta um incentivador.
Por isso não é recomendável que os pais façam tudo EM LUGAR dos filhos.
Tudo pelos filhos é aceitável, substituí-los não.
Beijos.

Gina disse...

Oi, Denise!
É sempre muito bom ter acesso às informações vindas do alto, relevantes, que nos fazem refletir.
Mesmo que convivamos com pessoas que costumam "rebaixar" os outros, é importante avaliar até que ponto deixamos que exerçam essa influência negativa sobre nós, não é mesmo?
Bom final de semana!!