- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sexta-feira, 6 de junho de 2014

A VITÓRIA DA VIDA

Pobre de ti se pensas ser vencido!
Tua derrota é acaso decidido.
Queres vencer, mas como em ti não crês,
Tua descrença esmaga-te de vez.
Se imaginas perder, perdido estás.
Quem não confia em si, marcha para trás;
A força que te impele para a frente,
É a decisão firmada em tua mente.

Muita empresa esboroa-se em fracasso
Ainda antes do primeiro passo;
Muito covarde tem capitulado
Antes de haver a luta começado.
Pensa em grande e os teus feitos crescerão;
Pensa em pequeno, e irás depressa ao chão.
O querer é o poder arquipotente,
É a decisão firmada em tua mente.

Fraco é aquele que fraco se imagina,
Olha ao alto o que ao alto se destina;
A confiança em si mesmo é a trajetória
Que leva aos altos cimos da Vitória.
Nem sempre o que mais corre a meta alcança,
Nem mais longe o mais forte o disco lança;
Mas o que, certo em si, vai firme em frente,
Com a decisão firmada em sua mente!

Amado Nervo

Fonte: Terapia Antiqueixa – Roosevelt Andolphato Tiago 
imagem: ianelameira.blogspot.com 

3 comentários:

Dilmar Gomes disse...

Amiga Denise, já havia lido alguma coisa, pouca, diga-se, deste escritor e poeta mexicano, mas não ocasião não percebi a mensagem espiritualizada observada neste post.
Um abraço. Tenhas um fim de semana abençoado.

Denise disse...

Amigo Dilmar, penso que vc se confundiu, Roosevelt não é mexicano, é brasileiro. Ele fala sobre comportamento humano, em especial sobre a queixa, sob uma visão espírita. Muita paz!

tesco disse...

Interessante. No dia 03 de junho pesquisei na internet para copiar este poema,
Agora vejo-o novamente aqui!
Li-o a primeira vez em 1976, noo livro "Alegria e triunfo", de Lourenço Prado.
Nas pesquisas só encontreiautoria anônima, se é composição de mexicano,
foi muito bem versada, pois parece original em português.
De qualquer modo, é ótima composição, e alegro-me em tê-la arquivado, pois sempre (desde 76, claro) me serviu de guia.
Beijos.