- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sábado, 21 de setembro de 2013

PREOCUPAÇÃO I

          
              As tarefas evolutivas executadas por nós na Terra fazem parte de um processo dinâmico que levará nossas almas ainda por inúmeras encarnações. A Vida não tem outro objetivo senão o de doação, de proteção e de recursos, para que possamos atingir uma estabilidade íntima que nos assegure a clareza e a serenidade mental, elementos imprescindíveis que nos facilitarão o progresso espiritual.
                Se acreditarmos, porém, que nossa felicidade ou infelicidade venha de coisas externas, do acaso ou das mãos de outras pessoas, estaremos dificultando nossos crescimento e amadurecimento interior.
                A criatura que atingiu a lucidez espiritual já adquiriu a capacidade de compreender a eficiência com que a natureza age em todos nós. Ela se conduz no cotidiano pacificada e serena, pois percebeu que está constantemente ganhando recursos da Vida Excelsa, mesmo quando atravessa o que consideramos transtornos existenciais. Ao mesmo tempo, aprendeu que, por mais que se preocupe, a reunião de todas essas preocupações não poderá mudar coisa alguma em sua vida.
                O espírito na escolha das provas que queira sofrer escolhe de acordo com a natureza de suas faltas, as que o levem á expiação destas e a progredir mais depressa.
                A Providência Divina agindo em nós faz com que saibamos exatamente o que precisamos escolher para nosso aprimoramento interior. Para que a consciência da criatura tenha uma boa absorção ou uma sensível abertura para o aprendizado é preciso que adquira senso e raciocínio, noção e atributos, todos extraídos das suas provas e expiações, ou seja, das diversas experiências vivenciais.
                Ainda encontramos nesta questão: “uns impõem a si mesmos uma vida de misérias e privações outros preferem experimentar as tentações da riqueza e do poder mjuitos, finalmente, se decidem a experimentar suas forças nas lutas que terão de sustentar em contacto com o vício”.

(continua)


Do livro: As Dores da Alma – Francisco do Espírito Santo Neto/Hammed


x_3c9af347

Um comentário:

tesco disse...

Cada vez mais me convenço do equívoco de uma doutrina de "crime e castigo" em relação a essa que encontramos no Espiritismo, de "falha no aprendizado / novas aulas", muito mais sensata e proveitosa.
Beijos.