- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -
PODEM NOS TIRAR AS FLORES, MAS NUNCA A PRIMAVERA.

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sábado, 4 de junho de 2011

O EXERCÍCIO DO AUTO AMOR VIII

FASES PARA A MUDANÇA
                                                       
            Conforme o citado na postagem anterior, passamos a descrever as quatro fases de ação para mudança interior:

 Primeira Fase da Mudança
As reflexões sobre um movimento egóico que se está trabalhando, surgem após a sua manifestação. Deve-se aceitar o movimento e meditar proativamente, sobre como agir para superá-lo. Esta fase é de aprendizado, na qual a pessoa reflete sobre os seus erros e aprende com eles. Esse processo deverá acontecer tantas vezes quantas forem necessárias, até a pessoa passar para a próxima fase.
Segunda Fase da Mudança
As reflexões começam a surgir durante a manifestação do movimento egóico, possibilitando que o indivíduo possa analisá-lo melhor, com o intuito de poder superá-lo.
Terceira Fase da Mudança
As reflexões começam a surgir antes da manifestação do movimento egóico, possibilitando ao indivíduo escolher entre praticá-lo, ou não. Para esta fase do processo de mudança, elaboramos uma técnica vivencial que denominamos vigilância interior. Trata-se de uma vivência para fazer o trabalho de auto-aceitação do movimento egóico, transmutação dele e identificação com o Ser Essencial. É uma vivência muito simples e, ao mesmo tempo, muito profunda, para ser realizada na hora em que temos dificuldades a serem transmutadas. Ela permite ao indivíduo modificar hábitos, descondicionando os sentimentos negativos, aceitando que eles existam, mas que podem ser bem direcionados, transmutados, para desenvolver os sentimentos positivos e equilibrados do Ser Essencial.
Desta forma pode-se transmutar qualquer sentimento egóico, sejam evidentes ou mascarados. Num primeiro momento, deve-se perceber o sentimento evidente, depois aceitar sua presença, desidentificar-se dele, e depois afirmar os sentimentos essenciais.
Esta afirmação do essencial, em nós mesmos, é muito importante porque, por mais que o ego esteja densificado pela nossa identificação com ele, não deixaremos de ser quem somos, seres essenciais em evolução.
Observações importantes: é muito comum, nesta fase de transmutação pela identificação com os sentimentos do Ser Essencial, o ego, por estar densificado pela identificação com a cólera, mágoa ou qualquer outro sentimento negativo, produzir um diálogo interno.
Enfim, existem muitas maneiras do ego mascarar e fugir, defendendo-se do processo de transmutação.
É importante não cair nesta armadilha e prosseguir com o exercício, repetindo mentalmente as frases positivas, até notar que os sentimentos do ego diminuíram.
Na fase de transmutação é necessário fazer afirmações positivas, isto é, aquilo que se quer identificar e desenvolver, que são os sentimentos do Ser Essencial, e não afirmações negativas, negando-se os sentimentos egóicos.
Outro cuidado importante é evitar usar frases no futuro, porque dentro de um ponto de vista transcendente, todos vamos nos transformar um dia, mas é preciso começar essa transformação agora, por isso é importante usar o berbo no presente.
Outro tipo de frase que deve ser evitado é a que pressupõe uma obrigação, imposição, gerando no ego um confronto e não a transmutação.
Uma dúvida poderá ocorrer, se isto não é mascarar os sentimentos negativos. Isso é transmutar esses sentimentos, através dos sentimentos existentes em forma latente no Ser Essencial.
Outra questão com relação a essa vivência é a freqüência com que é realizada. Muitas pessoas se queixam de que ela não funciona, porque fazem duas ou três vezes a repetição e, como não acontece nada, logo abandonam a prática do exercício.
Para que a vivência da vigilância interior faça efeito é necessário utilizá-la, muitas e muitas vezes, até que o ego seja irrigado pelas energias do amor do Ser Essencial.
Quarta Fase da Mudança  
O indivíduo começa a perceber que as manifestações do movimento egóico, não se tornando cada vez mais raras, até a completa efetivação da mudança, na qual as suas manifestações já não ocorrem mais, porque se efetivou a transmutação do sentimento egóico em um valor essencial. Para a maioria das nossas limitações egóicas, dificilmente chegaremos neta fase, na atual existência. É necessário aceitar essa verdade e realizar aquilo que é possível para nós no momento, de forma amorosa, pois temos todo tempo que for necessário, para realizar as mudanças que necessitamos.
Esta técnica, com todas essas fases, é uma forma didática para se definir a ação consciente, diferenciando-a da ação impulsiva egóica.
As diferentes fases são dinâmicas. Muitas vezes não se sabe onde começa uma e termina a outra, e vice-versa. Muitas vezes a pessoa, num determinado momento, se percebe numa fase, em outro momento, noutra.
O importante é saber que, para vivermos conscientes de nossas ações, é necessário um método e um esforço nesse sentido. O contrário disso é uma vida automatizada, na qual agimos de forma impulsiva e robotizada, com graves conseqüências para a nossa saúde psíquica e emocional.

PSICOTERAPIA À LUZ DO EVANGELHO DE JESUS
            Alírio de Cerqueira Filho 

Um comentário:

Simplecidade de Maria disse...

Oi amiga vim agradecer sua visita e comentario,muito obrigada por estar aqui volte mais vezes...muita paz a vc tambem!!