- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


domingo, 26 de maio de 2013

MECANISMOS DE FUGA DO EGO V

Racionalização

A racionalização é o mecanismo de fuga de mai­or gravidade do ego, por buscar justificar o erro me­diante aparentes motivos justos, que degeneram o senso crítico, de integridade moral, assumindo pos­turas equivocadas e perniciosas. Sempre há uma ra­zão para creditar-se favoravelmente os atos, mesmo os mais irrefletidos e graves, através das razões apre­sentadas, que não são legítimas. Essa dicotomia — o que se justifica e o que se é — torna-se um mecanismo perturbador, por negar-se o real a favor do que se imagina.
As razões legítimas dos hábitos e condutas são mascaradas por alegações falsas. Por não admitir o que se prefere fazer ou ser, e se tem em conta de que é errado, assume-se a máscara egóica da racionaliza­ção.
Essa falta de honestidade, como expressão falsa do eu, torna-se um desequilíbrio psicológico, que ter­mina em perda de sentido existencial.
Ninguém pode mudar um mal em bem, apenas porque se recusa a aceitar conscientemente esse mal, que lhe cumpre trabalhar para melhor, ao invés de ig­norá-lo ou justificá-lo com a racionalização.
A tendência humana da escolha é sempre direcio­nada para o bem. Assim, há uma repulsa natural pelo mal, de que a racionalização tenta alterar a contextu­ra, a fim de apaziguar a consciência, gerando a per­turbação psicológica.
Essa luta, que se trava entre o intelecto e a ra­zão, busca justificativa para tornar o mal em um bem, que é irreal. Desse modo, quando a pessoa age erradamente e a razão lhe reprocha, o intelecto busca uma alegação justa para reprimir o bem e prossegui na ação.
A execução supera a razão e a mente justifica o mal, do qual surgirá um bem, para si ou para outrem, como racionaliza o ego em desequilíbrio.
Somente uma vontade severa e nobre, exercendo sua força sobre os mecanismos de evasão, para pre­servar o equilíbrio entre a razão e o intelecto com a emoção do bem e do justo, propondo o ajustamento psicológico do ser.
Fora disso, tais mecanismos de camuflagem da realidade conduzem à alienação, ao sofrimento.

O SER CONSCIENTE - Divaldo Pereira Franco/Joanna de Ângelis


x_3c9af347

Um comentário:

Donetzka Cercck Lavrak Alvarez disse...

Verdade,Denise.

Não sei se entendi bem,pois estou com a visão muito fraca.

As pesoas em geral não usa corretamente a razão e o intelecto e muitas vezes prejudicam outras e se acham uns benfeitores.

Bjs e linda semana

Donetzka