- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sábado, 23 de agosto de 2014

O PERDÃO DAS OFENSAS I

                O teu agressor, talvez, noutra circunstancia, levantará a voz em tua defesa.
                O teu adversário, possivelmente, em situação diferente, será o amigo que te distenderá a mão em socorro.
                O teu caluniador, quiçá, em posição diversa, virá em teu auxílio.
                O teu inimigo, certamente, passada a injunção de agora, ser-te-á devotado benfeitor.
                O teu acusador, superado o transe que o amargura, far-se-á o companheiro gentil da tua jornada.
                Perdoa-os, portanto, hoje que se voltaram contra tua pessoa, levantando dificuldades no caminho pelo qual avanças.
                Perdoa as suas ofensas sem impores quaisquer condições, sequer aclarando incompreensões e dirimindo equívocos.
                O perdão deve assentar-se no esquecimento da ofensa, no repúdio total ao mal, sem exigências.


Fonte: ALERTA – Divaldo Pereira Franco/Joanna de Ângelis
imagem: manancialvivo.blogspot.com

2 comentários:

Pérola disse...

Perdoar é divino.

Beijo

tesco disse...


Uma das poucas coisa ruins que fiz (e me lembro,
naturalmente), foi irritar-me com um colega de
serviço (ele fez por onde, sim) e dizer-lhe
poucas e boas (ou seja, muitas e más).
Meu consolo é que,talvez, ele necessitasse
passar por aquele minuto mau.
Mas, menosprezar amigos ou inimigos e algo
ruim de verdade.
Beijos.