- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -
PODEM NOS TIRAR AS FLORES, MAS NUNCA A PRIMAVERA.

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


quinta-feira, 17 de outubro de 2013

CONDIÇÕES DE FELICIDADE III


Nos períodos de formação da personalidade — in­fância e juventude — é comum orientar-se o educando para as conquistas externas a qualquer preço, iden­tificando os valores sociais e econômicos, não raro em detrimento da realização interior. Somente quando são estabelecidas metas de triunfo íntimo, é que se alcança a correta identificação do ser com os lídimos objetivos da reencarnação.
Nessa fase de indefinição, muitos indivíduos são induzidos a satisfazer as ambições malogradas ou vi­toriosas dos seus pais, educadores e chefes, que pro­jetam sua sombra nos filhos, alunos e subordinados, sem pensarem na realização pessoal dos seus depen­dentes.
Essa conduta é responsável por muitos conflitos, que impedem um discernimento claro do que seja re­almente a felicidade. Diante disso, a idade da razão pode apresentar-se atemorizante e perturbada por contínuas crises existenciais.
Constatar que as conquistas feitas não são pleni­ficadoras, defrauda as aspirações e tira o sentido da vida, O triunfo e o fracasso externo também produ­zem a mesma frustração e incompletude.
Nesse período, a constatação do tudo efêmero impulsiona o ser na direção da felicidade, e é nesse nível de consciência que a busca alcança os patama­res elevados do amor desinteressado, da paz íntima e da realização espiritual, que são as condições es­senciais para culminar no encontro.
A partir daí, a reflexão se torna freqüente, a ora­ção faz-se natural e a meditação é um reconforto nor­mal. Amadurecendo, o indivíduo irradia do mundo in­terior o bem-estar e passa a fruir de felicidade.
Isto não o impede de ter problemas, que passa a administrar com equilíbrio, não se perturbando, nem se deprimindo com eles.
São os problemas, solucionados, que proporcio­nam maturidade e harmonia íntima. Sem eles, como exercícios, torna-se improvável o êxito.

O SER CONSCIENTE - Divaldo Pereira Franco/Joanna de Ângelis


x_3c9af347

2 comentários:

Mari Rehermann disse...

Denise querida, li este texto desde o primeiro para bem compreendê-lo, pois tenho esse livro, mas ainda não o li! Importantes ensinamentos absorvi aqui, pois que tenho uma tendência à depressão e ao negativismo, sempre achando que as coisas para mim não vão melhorar...tenho tentado me esforçar através de leituras e trabalhando nas preces e irradiações do centro espírita que frequento, mas o amadurecer do espírito, da consciência é realmente um trabalho árduo e contínuo! Estou buscando o meu equilíbrio!!


Tenha um final de semana iluminado!!
Beijinhos!!♥

tesco disse...

Os problemas são problema quando não se procura uma solução. Fora disso, são degraus da escada evolutiva.
Como dia a própria Joanna:
"Qualquer tipo de crescimento, especialmente psicológico, redunda em sofrimento emocional".
Beijos.