- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


quarta-feira, 13 de abril de 2016

CASAMENTO E CICLOS VITAIS I

                No transcurso do tempo de acasalamento, os casais vivem etapas variadas, que requisitam habilidades para enfrentar as diversas vicissitudes que cada fase apresenta.
                Ao longo do tempo de convivência, o par é desafiado a recasar-se muitas vezes, tais são os cenários novos eu se apresentarão pela frente, em diversas ocasiões inteiramente diferentes entre si, reclamando maestria na manutenção e crescimento do relacionamento, dentro da dança matrimonial.
                Para cada ciclo despontam demandas novas, exigindo competências específicas do casal e de cada parceiro em si, dando novos contornos para a viagem no navio do casamento, sempre ameaçado por naufrágios, encalhes e colisões, caso não existam conhecimentos mínimos para uma boa navegação conjugal.
                Surgem desse modo algumas fases que podem ou não obedecer à seguinte sequência:
A)     Recém casados
Durante a após as núpcias, tudo ainda é festa e encantamento. O casal vive muitas fantasias, resultado das idealizações recíprocas.
B)      Casal sem filhos
Depois surge a vida real, com suas exigências cotidianas, como contas a pagar, administração da casa, o sincronismo dos horários das refeições, o deslocamento ao trabalho, etc.
C)      O casal e o nascimento do primeiro filho
Aparece o pequeno “rei” que ocupa, soberano, grande espaço não só físico mas também psicológico, exigindo a redistribuição do tempo e do campo vital, requisitando, do casal, o desempenho de novo papel, o de pais.
É nessa oportunidade que se vê frequentemente não só o triângulo edipiano, mas, sobretudo, o reencontro de almas, muitas vezes numa reedição de triangulações amorosas do passado reencarnatório, acordando memórias inúmeras vezes conflitantes nas relações da família.
Aqui o conhecimento espírita é de excelência para o casal dispor de outro semblante acerca da dinâmica familiar.
Nessa fase, além do pediatra, às vezes é de bom tom o apoio de um terapeuta de família ou de um profissional da área psicológica, quando aparecem conflitos ameaçando a estabilidade do casamento.

(continua)

Fonte: CASAMENTO: A ARTE DO REENCONTRO – ALBERTO ALMEIDA
imagem: google

Nenhum comentário: