- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


sexta-feira, 21 de outubro de 2011

AZEDUME, TEMPERAMENTO EPIDÊMICO I


                Azedar é pestiar a corrente centrífuga do perispírito de teores energéticos inferiores, acidulantes.
                Sua causa matriz é a pertinaz insatisfação com a existência carnal da atualidade com escassa gratificação e prazer. Não significa privação exterior, mas inibição íntima. Homens existem que vivem na prodigalidade de recursos para a auto-realização, no entanto, não conseguem fruir afetivamente a satisfação com o que possuem, sobraçando em queixume e irritabilidade ao menor sinal de contrariedades com as quais convivem continuamente, em face de acentuada predisposição a incomodar-se com bagatelas da vida. É uma permanente insatisfação, em verdade com origem na individualidade espiritual.
                Azedume é a postura de revolta muda e impulsiva da criatura que se abateu na luta pela superação de seus desgostos e desamor a si mesmo. Tal estado de perturbação do afeto é uma fuga de difícil diagnose aos mais experientes esculápios, e apresenta variado quadro de sintomas avaliados como quadros mentais patológicos ou obsessões pertinazes. É um desajuste entre as escolhas pré-reencarnatórias e a sua realidade na Terra. O desconforto e a inaceitação geram uma insatisfação seguida de alterações no estado de humor, tipificando-se em múltiplos processos morais, psíquicos e emocionais.
                Fenômeno muito sutil da vida mental e emocional, porque enreda o doente no sofrimento sem que se lhe possa entender de imediato as razões causais profundas, que estão nos estados interiores de desagrado e inconformação com as provas da existência. Algumas de suas facetas são a autopiedade, irritação, tendência agressiva, revide, aspereza, amargura, rigidez de caráter, depressões, aversões a locais, assuntos e pessoas, pessimismo, antipatia, perfeccionismo, deficitária auto-estima, bloqueio de afeto, revolta e até ódio; fatores esses que levam a extremas pressões psíquicas decorrentes de faixas mentais de ansiedade e preocupação confirmando um caso de auto-obsessão seguidas de influenciações de outras mentes desencarnadas.
                Comum nos dias de hoje, em que a ilusão insufla a mentira e convence os incautos a escravizarem-se a modismos e estereótipos sociais de consumismo, sob a égide do materialismo.
                Revoltados com o corpo, abatem-se sob o sentimento do azedume em síndrome de inveja ante as infelizes comparações com aqueles que desfilam nas bajuladas passarelas públicas da elegância e da beleza.
                Inconformados com a condição social, permitem-se a aspereza ante perdas e insucessos ou os atraem, quando enleiam-se por raciocínios que lhes fazem sentir injustiçados e sem sorte.
                Infelizes com as uniões matrimoniais, azedam o clima do lar em declarada guerra do coração por não conquistarem as expectativas alentadas com o enlace.
                Inveja, perda e expectativas não atendidas são pólos de atração para a insatisfação que se transforma em ingratidão, raiva, desânimo e desequilíbrio.
                Provas-surpresas são outra fonte freqüente, quando a criatura é colhida por fatos inesperados e periódicos, aferindo sua resistência e inteligência intrapessoal para conduzir as emoções às melhores possibilidades no encontro das  soluções perante os revezes.
                Azedume é atestado de escassa inteligência emocional ou incapacidade de controle e vigilância sobre os patrimônios da afetividade. As neurociências, no futuro, constatarão nosologias neurológicas provenientes dessa rebeldia com a vida, e a psiquiatria acatará essa neurose original como etiologia presente nos capítulos da disritmia crônica.

(continua)
               
Do livro: MEREÇA SER FELIZ – Superando as ilusões do orgulho
Wanderley S. de Oliveira – Espírito Ermance Dufaux

Glitter Symbols - ImageChef.com

3 comentários:

Calu disse...

Palavras claras, texto aberto ao auto-conhecimento e à observação dos atos ao nosso redor.Quem não já manifestou azedume alguma vez na vida? Mas, uma reação pontual não se compara a esse pontuado esclarecimento acerca duma constante atitude disrítmica.
È preciso saber para agir e tua postagem, Denise, abre essa necessária perspectiva.
Bjinhos,
Calu

Lúcia Bezerra de Paiva disse...

Olá, Denise!
Há muito não "ouvia" a palavra AZEDUME...Que matéria interessante
e importante.
Obrigada, por compartilhar!

Que a PAZ se faça PLENA!
Um abraço,
da Lúcia

Valéria disse...

Oi Denise!
Vivemos em um mundo em que as pessoas estão constantemente insatisfeitas na sua busca sempre por ter mais e a nem sempre satisfação de seus desejos as transformam em pessoas cada vez mais intolerantes
Beijos e um fds iluminado!