- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -

- * - * - * - * - * - * - * - * - * - * -
PODEM NOS TIRAR AS FLORES, MAS NUNCA A PRIMAVERA.

CONHEÇA O ESPIRITISMO - blog de divulgação da doutrina espírita


domingo, 1 de maio de 2011

IDENTIFICAÇÃO

Também chamado introjeção. É o mecanismo pelo qual o indivíduo se identifica com valores observados em outra pessoa e que passam a ser vistos como sendo seus valores.
É comum que as pessoas se identifiquem com heróis ou ídolos, e se achem parecidas com eles, assumindo-lhes a forma, os hábitos, os traquejos, o modo de falar, de comportar-se, etc.
É comum a identificação com personagens fictícios de telenovelas, filmes e programas de TV, criando-se uma verdadeira dependência, um vício. Isso resulta numa fuga da realidade da vida, que passam a viver numa ilusão, identificando-se com ídolos que só existem em sua imaginação.
A identificação é uma tentativa do indivíduo de substituir o vazio interior, através de modelos e ídolos para servirem de referência e, com isso, tentar buscar o preenchimento desse vazio. O resultado é totalmente ineficaz, pois só se consegue preencher esse vazio através do amor. Isso só será possível quando cada um assumir a sua realidade interior, identificando-se consigo mesmo em essência, mantendo o equilíbrio emocional através do autoconhecimento, eliminando as ilusões de ser uma pessoa que terminou por alienar o ser.

Do livro: PSICOTERAPIA À LUZ DO EVANGELHO DE JESUS
            Alírio de Cerqueira Filho

4 comentários:

ArcadoAutoConhecimento disse...

Denise. Adorei esse texto. Somente o amor preenche o vazio dentro de nosso coração. Beijos.

Nectan Taurus disse...

Excelente, Anjo!!

Estou levando o teu presente maravilhosos e já coloquei no blog "Selos do Nectan". Obrigado, mais um vez, pelo teu carinho e amizade!!!
Com muito amor!!!

RUTE disse...

Agora vc me lembrou o Verseiro, um dos participantes da coletiva Fases da Vida que noutra blogagem sobre super-heroi, nos apresentou o pai dele, como sendo o seu heroi de infância!
Sem dúvida que é o mecanismo de nos identificarmos com quem admiramos. Aí dizemos: quando crescer quero ser como meu pai, ou minha mãe, ou ...
É natural que isso aconteça na infância quando ainda não assumimos nenhuma identidade vincada. A adolescência já é outra conversa, buscar um idolo da música ou do cinema e construirmos nossa imagem à semelhança dum pop rock, pode ser perigoso, pois estaremos trabalhando apenas o exterior e a futilidade.
Beijinhos,
Rute

Jeanne Geyer disse...

Na adolescência é comum uma identificação com ídolos mas só até certo ponto, pois que a personalidade já está bem estrutura embora ainda falte amadurecimento. Mas na idade adulta realmente a pessoa já deve ter assimilado suas caracteristicas únicas e intransferíveis.
os defeitos a gente vai lapidando, mas sem querer imitar ninguém...
Beijos